IATA: Aumento Das Taxas Aeroportuárias Pode Prejudicar A Recuperação Da Conectividade Aérea

Genebra - A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) alertou que um aumento proposto de 37% nas tarifas aeroportuárias nos Países Baixos corre o risco de danos significativos à recuperação da conectividade aérea no país. 

Aeroporto Schipol, Amsterdã, Holanda. (© Bing Imaagens)

Após uma revisão formal na qual a IATA e várias companhias aéreas participaram, o regulador das tarifas aeroportuárias em Schiphol, ACM, divulgou uma decisão em 21 de abril que aceitou a posição do aeroporto de que, devido às perdas incorridas durante a paralisação do COVID-19, deve aumentar as taxas aeroportuárias em um acumulado de 37% nos próximos três anos. 

As viagens aéreas ainda não se recuperaram do COVID-19, o maior choque da história da aviação. Os impactos nos Países Baixos foram agudos: no seu auge, o COVID-19 fez com que o número de passageiros caísse mais de 70%, a um custo de cerca de 200.000 empregos apoiados pela aviação. Uma recuperação gradual está em andamento, mas as bases estão fracas. 

O Índice de Conectividade da IATA mostra que a Holanda ainda está 35% abaixo do pico de 2019. Neste momento crucial, em benefício dos Países Baixos como um todo, a conectividade aérea deve ser suportada. Infelizmente, a decisão da ACM coloca em risco a posição do país como um dos mais competitivos centros europeus de transporte aéreo. 

A posição do regulador holandês contrasta fortemente com a posição tomada por outros reguladores independentes da região, que estão tentando cumprir seus deveres para proteger o consumidor. 

Na Espanha, o regulador rejeitou as alegações do operador aeroportuário de que precisava recuperar suas perdas pandêmicas. O regulador espanhol calculou que o operador aeroportuário tinha reservas de caixa suficientes para cobrir o déficit e que se beneficiaria do aumento do tráfego nos próximos anos - e congelou as taxas pelos próximos três anos. 

Schiphol está em uma situação semelhante, e o regulador deve ser igualmente robusto. Pré-pandemia, Schiphol declarou 742 milhões de euros de dividendos durante o período 2015-19, e tem várias opções para cobrir suas perdas. O Schiphol pode facilmente financiar perdas de curto prazo sem aumentar os custos para seus clientes. 

"O aeroporto de Schiphol e seu regulador falharam completamente em considerar as circunstâncias excepcionais que foram criadas pelo COVID-19. O sistema de recuperação de custos nunca foi esperado para operar em circunstâncias onde a demanda entraria em colapso por um período prolongado devido às restrições de viagem impostas pelo governo. Não pode ser razoável despejar um aumento de 37% nas companhias aéreas e seus passageiros. Também não é sensato colocar tais custos no transporte aéreo nos Países Baixos em um momento em que outras pressões de custos, incluindo o aumento dos impostos ambientais, já estão prejudicando a posição competitiva da aviação holandesa", disse Rafael Schvartzman, Vice-Presidente Regional da IATA para a Europa. 

A IATA está considerando um recurso da decisão. 

Comentários