IATA: Progresso Na Reabertura Do Mundo Para As Viagens Aéreas

Genebra - A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA - International Air Transport Association) anunciou que apoia o ritmo crescente para a reabertura das fronteiras e o relaxamento das restrições de viagem, à medida que a COVID-19 entra na fase endêmica.

(© Bing Imagens)

Uma pesquisa da IATA sobre restrições de viagem nos 50 principais mercados de viagens aéreas do mundo (compreendendo 88% da demanda internacional em 2019, medida em passageiro pagante-quilômetro) revelou o crescente acesso disponível para viajantes vacinados:

- 25 mercados, que representam 38% da demanda internacional de 2019, estão abertos a viajantes vacinados sem exigência de quarentena ou teste - um aumento em relação aos 18 mercados (28% da demanda internacional de 2019) em meados de fevereiro.

- 38 mercados, que representam 65% da demanda internacional de 2019, estão abertos a viajantes vacinados sem exigência de quarentena - um aumento em relação aos 28 mercados (50% da demanda internacional de 2019) em meados de fevereiro.

Várias pesquisas da IATA realizadas com passageiros durante a pandemia mostraram que os testes e principalmente a quarentena são as principais barreiras para as viagens.

 As variações regionais no grau de abertura entre os mercados são significativas.

Região = 1) + 2)

Ásia-Pacífico > 16 - 6

Américas > 9 - 9

Europa > 20 - 18

Oriente Médio > 3 - 3

África > 2 - 2

1) Nº de mercados entre os 50 mais importantes

2) Nº de mercados abertos a viajantes vacinados sem exigência de quarentena

As viagens na Ásia continuam fortemente comprometidas pelas restrições da COVID. Enquanto o tráfego internacional na América do Norte e Europa se recuperou e atingiu -42% em relação aos picos de 2019 no ano passado, o tráfego na região Ásia-Pacífico permaneceu em -88%. Mesmo assim, houve algum progresso nessa região - Índia e Malásia e outros países anunciaram recentemente o relaxamento das restrições.

A flexibilização das medidas é reflexo do crescente consenso de que restrições de viagens, como fechamento de fronteiras e quarentena, pouco fazem para controlar a propagação da COVID-19. Um relatório recente da OXERA e Edge Health, que analisou a disseminação da variante Ômicron na Europa, concluiu que as restrições de viagem podem atrasar o pico de uma onda de surto em apenas alguns dias.

“O mundo está amplamente aberto para as viagens. À medida que a imunidade da população cresce, mais governos estão gerenciando a COVID-19 por meio de vigilância, como fazem para outros vírus endêmicos. Esta é uma ótima notícia para um número crescente de destinos que terão um aumento na atividade econômica, tão necessário considerando as próximas temporadas de viagens da Páscoa e do verão do hemisfério norte. A Ásia é uma exceção. Esperamos que os relaxamentos recentes, incluindo Austrália, Bangladesh, Nova Zelândia, Paquistão e Filipinas, sirvam de exemplo para restaurar a liberdade de viajar, processo que está em estágio mais avançado em outras partes do mundo”, disse Willie Walsh, Diretor-Geral da IATA.

Comentários