Destaque Da Semana

Iberia Reduz Estrutura Para Enfrentar Crise De Covid-19

Jamaica E Panamá Assinam Acordo De Marketing E Transporte Aéreo De Vários Destinos

Ministro do Turismo da Jamaica, Exmo. Edmund Bartlett anunciou que a Jamaica e a República do Panamá assinaram um acordo de vários destinos, como parte dos esforços para fortalecer as relações turísticas entre os dois países. O acordo foi assinado durante a FITUR, durante a semana passada, a maior feira internacional de turismo para os mercados ibero-americanos de entrada e saída, atualmente em andamento na Espanha.


A Jamaica já havia assinado acordos semelhantes com Cuba, República Dominicana e México, para promover a integração regional, promovendo e harmonizando a legislação sobre conectividade aérea, facilitação de vistos, desenvolvimento de produtos, marketing e desenvolvimento de capital humano.

"A assinatura do acordo hoje com o Panamá nos leva a cinco países do Noroeste do Caribe que desenvolveram um acordo para a convergência de seus acordos de marketing e transporte aéreo."

"Este é um grande desenvolvimento para o crescimento e expansão do turismo na região do Caribe, pois agora reúne cinco dos maiores mercados da região”, afirmou o ministro Bartlett.

Espera-se que a convergência dos cinco países crie um mercado de mais de 60 milhões de visitantes em potencial e seja promovida como um pacote, por meio dos respectivos conselhos de turismo, para grandes operadoras de turismo, companhias aéreas e linhas de cruzeiros.

“Este acordo cria um mega-mercado que agora será capaz de atrair as grandes companhias aéreas, as grandes operadoras de turismo, mas o mais importante é que seremos capazes de atrair os novos mercados emergentes das grandes distâncias da Ásia, África e Europa Oriental."

"Estes mercados distantes poderão entrar na região do Caribe, desfrutar de muitas das experiências em um negócio lotado e podem atravessar perfeitamente as áreas ”, afirmou o ministro.

O turismo de vários destinos é uma estratégia que o Ministério do Turismo tem usado para aumentar a oferta de produtos dos respectivos destinos, mas ainda mais para permitir uma melhor conectividade aérea entre os mercados, principalmente para destinos de longo curso.

Com esse acordo de vários destinos, o Panamá se tornará um centro para vôos de longo curso e a Emirates e a Air China estão entre as duas companhias aéreas alvo. Também cobre como a Jamaica pode alavancar melhor a diáspora jamaicana, que contribuiu para o enriquecimento cultural do Panamá.

“Uma característica deste acordo será analisar racionalizar os arranjos de infraestrutura, particularmente no que se refere à facilitação de visitantes. Portanto, analisaremos um regime de visto único, por exemplo, que nos permitirá ter espaço doméstico nos cinco países envolvidos, apenas para fins turísticos ”, afirmou o ministro.

"Também poderíamos considerar a possibilidade de um único espaço aéreo, pois as companhias aéreas que estão entrando em serviço nessas áreas não terão que pagar cinco ou seis taxas diferentes em relação a cinco ou seis espaços aéreos diferentes, mas uma taxa única que cobrirá tudo. As perspectivas disso são uma grande mudança para o desenvolvimento do turismo no noroeste do Caribe”, acrescentou.

O aspecto final deste acordo será o fortalecimento da construção de resiliência na região, que incluirá o estabelecimento de um Centro Global de Resiliência e Gerenciamento de Crises por satélite em uma universidade acordada no Panamá.

A Jamaica mantém relações diplomáticas com o Panamá desde 1966. Atualmente, a COPA Airlines, companhia aérea de bandeira do Panamá, opera onze (11) vôos semanais para a Jamaica.

Créditos: eTurboNews