Publicidade

Postagem Em Destaque

TUI Reinicia Atividades De Verão Em Toda Europa

Imagem
A temporada de verão 2020 começa em mais e mais países. Todos os operadores turísticos e companhias aéreas da TUI estão prontos para reiniciar seus negócios. Os primeiros vôos de lazer já decolaram, por ex. da Alemanha, Bélgica ou Suíça. As Ilhas Baleares, Grécia, Chipre, Portugal e Croácia estão no foco das primeiras férias.


A TUI aprecia a iniciativa da Comissão Europeia de reabrir as viagens para países fora da UE em breve. É correto e reflete a demanda de muitos turistas em permitir viagens para países fora da UE sempre que possível de maneira segura e responsável, como na Turquia ou Marrocos. As conversas com os respectivos governos dão confiança de que seus protocolos de saúde e segurança atendem aos mais altos padrões da UE. Como um grupo de turismo integrado com suas próprias operadoras de turismo, hotéis e companhias aéreas, a TUI está bem preparada para oferecer férias nesses destinos populares a curto prazo, uma vez que as restrições nacionais de viagens tenham sido levanta…

Publicidade

Companhias Da A4E Contra Imposição De Eco-Taxas Sobre A Aviação

As companhias aéreas europeias que integram a Associação Airlines for Europe (A4E) estão contra a implementação de taxas ecológicas sobre a aviação. Considerando que estas não são uma solução, a A4E avança que, só em 2019, as transportadoras aéreas europeias vão pagar mais de € 5 bilhões em taxas e impostos ambientais - onde no comunicado enviado à nossa redação, a Airlines for Europe considera que a implementação de Eco-Taxas sobre a aviação “não é uma solução”, tanto mais que, segundo afirmou Willie Walsh, do Grupo IAG “os governos criam Eco-Taxas mas não gastam um cêntimo para tornar a aviação mais sustentável”.


Numa conferência de imprensa realizada em Bruxelas, foi afirmado que as maiores companhias aéreas europeias vão este ano pagar “mais de € 5 bilhões a nível nacional em impostos ambientais”, um montante que poderia ser gasto no apoio aos esforços para a “descarbonização da indústria aérea” - onde as companhias da A4E frisam também que têm realizado os seus próprios investimentos na redução do nível de emissões, avançando que, até 2030 serão investidos mais de € 169 bilhões em tecnologias inovadoras com o objetivo de minorar os impactos no meio ambiente. Inclui-se neste ponto a aquisição de cerca de 800 aviões mais eficientes e com nível mais baixo de consumo de combustível. Por outro lado, estão preparadas para, a partir do próximo ano, passarem a cumprir o plano de redução de emissões de carbono das Nações Unidas.

A propósito, Michael O’Leary, presidente da A4E e CEO de Ryanair assegurou que “a afirmação de que as companhias aéreas não estão pagando impostos ambientais é completamente falsa”. E acrescenta: “a nível mundial, as companhias aéreas europeias são as únicas que pagam impostos ambientais” pelo que “implementar mais impostos sobre a aviação são uma reação que retirará competitividade e prejudicará especialmente a integração, e a livre circulação dos cidadãos da União Europeia, especialmente no que toca aos Estados periféricos, e insulares como a Irlanda, Espanha e  Portugal, e os Estados Bálticos”.

Recorde-se que a A4E integra a Aegean, airBaltic, Air France-KLM, Cargolux, easyJet, Finnair, Icelandair, International Airlines Group (IAG), Jet2.com, Lufthansa Group, Norwegian, Ryanair, TAP Air Portugal, Smartwings y Volotea que, no seu conjunto, representam mais de 70% dos vôos realizados na Europa.

Fonte: Turisver - Aviação

Comentários