Destaque Da Semana

Iberia Reduz Estrutura Para Enfrentar Crise De Covid-19

Entrada De Turistas Estrangeiros No Brasil De Cruzeiros Cresceu 102% Em 2018

Ministério do Turismo também lançou um vídeo que mostra a importância do setor de cruzeiros para a economia nacional

O Ministério do Turismo acabou de anunciar os resultados da Demanda Turística Internacional, pesquisa sobre o perfil, hábitos e percepção dos viajantes estrangeiros que visitaram o país em 2018. O estudo, realizado ao longo de 2018 com 39 mil turistas de outras nacionalidades, revelou que a experiência turística brasileira superou ou atendeu plenamente a expectativa de 87,7% dos entrevistados e 95,4% pretendem voltar ao país.


Sobre os meios de transporte, o segmento aéreo segue sendo a forma mais utilizada por quem desembarca no Brasil: 4.328.074 passageiros. Mas o destaque fica por conta do aumento de 102% na entrada destes turistas pelo modal marítimo, chegando a 105.593. O crescimento do setor também pôde ser mensurado entre os viajantes do Brasil. Em 2018, 510 mil brasileiros embarcaram em navios de cruzeiros dentro e fora do país, número quase 15% maior do que em 2017, segundo um estudo anual da Cruise Lines International Association (CLIA). A importância do setor de cruzeiros para a economia nacional foi evidenciada no vídeo que também acabou de ser lançado pelo Ministério do Turismo

Ainda sobre o levantamento do MTur, o Brasil registrou 6.621.376 chegadas internacionais, um crescimento de 0,5% em relação a 2017 (6.588.770). O número de turistas vindos das quatro nacionalidades beneficiadas com o visto eletrônico – Austrália, Canadá, Estados Unidos e Japão – cresceu 15,73%. Os canadenses foram os que mais aproveitaram a iniciativa, com um salto de 45,3%, seguidos dos australianos (24,7%), norte-americanos (13,3%) e japoneses (5,5%). Desde ontem (17), cidadãos desses quatro países estão isentos de visto para entrar no Brasil.

No ranking geral de principais emissores para o Brasil estão a vizinha Argentina (2.498.483), EUA (538.532) e Chile (387.470). As viagens a lazer representaram mais da metade da motivação dos turistas que vieram ao país - 58,8% -, seguidas de viagens a negócios, eventos e convenções (13,5%) e por outras motivações (27,7%), como visitas a amigos e familiares, estudos e saúde.

AVALIAÇÃO - A hospitalidade brasileira foi o item mais bem avaliado pelos turistas estrangeiros, com aprovação de 97,9% dos viajantes. Logo após, vieram alojamentos (96,7%), gastronomia (95,9%), e restaurantes (95,8%). Os turistas europeus são os que permanecem por maior período no país (23,6 pernoites), seguidos pela média de tempo de estadia dos visitantes da Ásia, Oceania e América Central (22,7 pernoites).

Além disso, pelo quinto ano consecutivo, a internet se torna ainda mais relevante como principal fonte de informação dos turistas que vêm ao Brasil, o que corresponde a 55,7% das pesquisas sobre os destinos turísticos do país. Transporte internacional, hospedagem e pacotes são os serviços mais comprados pelos viajantes estrangeiros.

O levantamento mostrou que três em cada 10 entrevistados visitaram o Brasil pela primeira vez em 2018. O estudo foi encomendado pelo Ministério do Turismo e realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

Saiba mais: http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias.html


Sobre a CLIA Brasil

A CLIA Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos) é um dos 15 escritórios mundiais da Cruise Lines International Association, voz unificada e principal autoridade da comunidade global de Cruzeiros Marítimos.

A missão da CLIA é apoiar políticas e práticas que promovam um ambiente seguro, saudável e sustentável nos navios de Cruzeiros para os mais de 23 milhões de passageiros que viajam anualmente, bem como promover a experiência de viagem dos cruzeiros.

Seus membros, comprometidos com o continuado sucesso da indústria de cruzeiros, estão compreendidos entre as linhas mais prestigiadas do mundo em Cruzeiros Marítimos, Fluviais e de Especialidades; uma comunidade de agentes de viagens altamente treinados e certificados; e outros parceiros da indústria de cruzeiros, incluindo portos, destinos, desenvolvedores de navios, fornecedores, prestadores de serviços e operadores de viagens.

Fonte: Agência Guanabara

Comentários