UNWTO: Turismo Internacional Volta A 60% Dos Níveis Pré-Pandemia De Janeiro A Julho De 2022

Madrid, Espanha - O turismo internacional continuou a mostrar fortes sinais de recuperação, com chegadas atingindo 57% dos níveis pré-pandemias nos primeiros sete meses de 2022. 

(Arquivo) 

De acordo com o último Barômetro do Turismo Mundial da UNWTO, as chegadas de turistas internacionais quase triplicaram de janeiro a julho de 2022 (+172%) em relação ao mesmo período de 2021. Isso significa que o setor recuperou quase 60% dos níveis pré-pandemias. A recuperação constante reflete uma forte demanda reprimida por viagens internacionais, bem como a flexibilização ou elevação das restrições de viagem até o momento (86 países não tinham restrições relacionadas ao COVID-19 a partir de 19 de setembro de 2022). 

O Secretário-Geral, UNWTO, Zurab Pololikashvili, disse: "O turismo continua a se recuperar constantemente, mas vários desafios permanecem, da geopolítica à econômica. O setor está trazendo de volta esperança e oportunidade para as pessoas em todos os lugares. Agora também é a hora de repensar o turismo, para onde ele está indo e como ele impacta as pessoas e o planeta." 

Estima-se que 474 milhões de turistas viajaram internacionalmente no período, em comparação com os 175 milhões nos mesmos meses de 2021. Estima-se que 207 milhões de chegadas internacionais foram registradas em junho e julho de 2022, mais que o dobro dos números vistos nos mesmos dois meses do ano passado. Esses meses representam 44% do total de chegadas registradas nos primeiros sete meses de 2022. A Europa recebeu 309 milhões dessas chegadas, representando 65% do total. 


Europa E Oriente Médio Lideram Recuperação 

A Europa e o Oriente Médio apresentaram a recuperação mais rápida entre janeiro e julho de 2022, com chegadas atingindo 74% e 76% dos níveis de 2019, respectivamente. A Europa recebeu quase três vezes mais chegadas internacionais do que nos primeiros sete meses de 2021 (+190%), com resultados impulsionados pela forte demanda intra-regional e viagens dos Estados Unidos. A região teve um desempenho particularmente robusto em junho (-21% em relação a 2019) e julho (-16%), refletindo um período de verão movimentado. As chegadas subiram para cerca de 85% dos níveis de 2019 em julho. O levantamento das restrições de viagem em um grande número de destinos também alimentou esses resultados (44 países na Europa não tinham restrições relacionadas ao COVID-19 a partir de 19 de setembro de 2022).

O Oriente Médio viu as chegadas internacionais crescerem quase quatro vezes em relação ao ano anterior, de janeiro a julho de 2022 (+287%). As chegadas superaram os níveis pré-pandemias em julho (+3%), impulsionados pelos resultados extraordinários publicados pela Arábia Saudita (+121%) após a peregrinação do Hajj.

As Américas (+103%) e África (+171%) também registraram forte crescimento de janeiro a julho de 2022 em relação a 2021, atingindo 65% e 60% dos níveis de 2019, respectivamente. A Ásia e o Pacífico (+165%) viram as chegadas mais do que dobrarem nos primeiros sete meses de 2022, embora tenham permanecido 86% abaixo dos níveis de 2019, já que algumas fronteiras permaneceram fechadas para viagens não essenciais.


Sub-Regiões E Destinos 

Várias sub-regiões atingiram de 70% a 85% de suas chegadas pré-pandemias de janeiro a julho de 2022. O Sul da Europa (-15% em relação a 2019), o Caribe (-18%) e a América Central (-20%) apresentaram a recuperação mais rápida para os níveis de 2019. A Europa Ocidental (-26%) e o Norte da Europa (-27%) também apresentaram fortes resultados. Em julho, as chegadas chegaram perto dos níveis pré-pandemia no Caribe (-5%), Europa do Sul e Mediterrâneo (-6%) e América Central (-8%).

Entre os destinos que reportam dados sobre chegadas internacionais nos primeiros cinco a sete meses de 2022, as que excederam os níveis pré-pandemias foram: Ilhas Virgens Americanas (+32% em relação a 2019), Albânia (+19%), Saint Maarten (+15%), Etiópia e Honduras (ambas +13%), Andorra (+10%), Porto Rico (+7%), Emirados Árabes Unidos e República Dominicana (ambas +3%), San Marino e El Salvador (ambas +1%) e Curaçao (0%).

Entre os destinos que reportam dados sobre as receitas turísticas internacionais nos primeiros cinco a sete meses de 2022, Sérvia (+73%), Sudão (+64%), Romênia (+43%), Albânia (+32%), Macedônia do Norte (+24%), Paquistão (+18%), Turquia, Bangladesh e Letônia (todos +12%), México e Portugal (ambos +8%), Quênia (+5%) e Colômbia (+2%) superaram os níveis pré-pandemias de janeiro a julho de 2022.


Gastos Com Turismo Aumentam, Mas Desafios Crescem 

A recuperação em curso também pode ser vista nos gastos de turismo de saída dos principais mercados de origem. As despesas da França subiram para -12% de janeiro a julho de 2022 em relação a 2019, enquanto os gastos da Alemanha subiram para -14%. Os gastos com turismo internacional foram de -23% na Itália e -26% nos Estados Unidos. 

O desempenho robusto também foi registrado no tráfego aéreo internacional de passageiros, com um aumento de 234% entre janeiro e julho de 2022 (45% abaixo dos níveis de 2019) e uma recuperação de cerca de 70% dos níveis de tráfego pré-pandemia em julho, segundo a IATA. 

A demanda mais forte do que o esperado também criou importantes desafios operacionais e de mão-de-obra em empresas de turismo e infraestrutura, particularmente aeroportos. 

Além disso, a situação econômica, agravada pela agressão da Federação Russa contra a Ucrânia, representa um grande risco negativo. 

A combinação do aumento das taxas de juros em todas as principais economias, o aumento dos preços da energia e dos alimentos e as perspectivas crescentes de uma recessão global, como indicado pelo Banco Mundial, são grandes ameaças à recuperação do turismo internacional até o restante de 2022 e 2023. 

A potencial desaceleração pode ser vista no último Índice de Confiança da UNWTO, que reflete uma perspectiva mais cautelosa, bem como nas tendências de reservas que estão mostrando sinais de crescimento mais lento.


Especialistas Em Turismo Cautelosamente Confiantes 

Em uma escala de 0 a 200, o Painel de Especialistas em Turismo da UNWTO classificou o período de maio a agosto de 2022 com uma pontuação de 125, correspondendo às expectativas de alta expressas pelo Painel na pesquisa de maio para o mesmo período de 4 meses (124). 

As perspectivas para o restante do ano são cautelosamente otimistas. Embora o desempenho acima da média seja esperado, especialistas em turismo avaliaram o período de setembro a dezembro de 2022 com uma pontuação de 111, abaixo dos 125 pontos dos quatro meses anteriores, mostrando um rebaixamento nos níveis de confiança. Quase metade dos especialistas (47%) vê perspectivas positivas para o período de setembro a dezembro de 2022, enquanto 24% não esperam mudanças particulares e 28% consideram que poderia ser pior. Especialistas também parecem confiantes sobre 2023, já que 65% veem melhor desempenho turístico do que em 2022. 

O ambiente econômico incerto parece ter, no entanto, revertido as perspectivas de um retorno aos níveis pré-pandemias no curto prazo. Cerca de 61% dos especialistas agora veem um potencial retorno das chegadas internacionais aos níveis de 2019 em 2024 ou mais tarde, enquanto aqueles que indicam um retorno aos níveis pré-pandemias em 2023 diminuíram (27%) em relação à pesquisa de maio (48%). Segundo especialistas, o ambiente econômico continua sendo o principal fator que pesa na recuperação do turismo internacional. O aumento da inflação e o aumento dos preços do petróleo resultam em custos mais altos de transporte e acomodação, ao mesmo tempo em que colocam o poder de compra e a poupança dos consumidores sob pressão. 

Comentários