Destaque Da Semana

Aena Airports Recupera Tráfego De Passageiros Em 60% Em Agosto

Destinos De Praia Lideram Ocupação Hoteleira Na América Latina Em Julho

Bogotá, Colômbia - Os mercados de lazer populares da América Latina, especialmente destinos de praia, continuaram a apresentar níveis de ocupação de hotéis acima de 40%, de acordo com dados da STR até 25 de julho.

Como a demanda permanece predominantemente voltada para o lazer doméstico, os mercados que dependem desse segmento estão liderando o desempenho dos hotéis na região. De 19 a 25 de julho, Cartagena registrou a maior ocupação da região, 60,4%. A ocupação semanal do mercado atingiu 71,6% em 2021 (semana encerrada em 4 de abril). Entre os outros mercados definidos pelo STR, o Regional Costa Rica ficou em segundo lugar na semana encerrada em 25 de julho, com 58,2%, enquanto o Rio de Janeiro teve um nível de ocupação de 49,1%, o menor neste grupo de destinos de praia.

“Impulsionados pela demanda doméstica reprimida, os destinos de praia da América Latina têm sido fundamentais para a recuperação da região, visto que permanecem restrições em torno das viagens internacionais”, disse Patricia Boo, Diretora de Área da STR para América Central e do Sul. “Como outras regiões do mundo, os viajantes domésticos são menos atraídos pelas cidades urbanas movimentadas e preferem os espaços abertos, bem como o clima quente e os arredores que esses mercados oferecem. Historicamente, esses destinos têm sido populares na trilha do turismo internacional, mas provavelmente ainda estamos a anos de voltar aos níveis normais de demanda internacional.”

Para efeito de comparação, Cusco, a entrada para Machu Pichu e outro importante destino internacional, relatou ocupação abaixo de 50%. De 19 a 25 de julho, a ocupação hoteleira do mercado atingiu 43,5%, a maior ocupação semanal em Cusco durante 2021.

Entre os mercados urbanos da América Latina, Santiago foi o destaque de ocupação da semana mais recente com 54,0%. São Paulo e São José ultrapassaram o nível de 35%, com 37,8% e 36,7%, respectivamente.

Do outro lado do espectro, Buenos Aires continua apresentando níveis de ocupação abaixo de 30%. Na semana encerrada em 25 de julho, o mercado registrou um nível de ocupação de 21,1%, o maior desde a semana encerrada em 21 de março.

“Embora o raciocínio geral de que os viajantes a lazer preferem destinos rurais ainda se mantenha, este ano especialmente estamos sentindo a perda de negócios e demanda do grupo”, disse Boo. “Em 2020, havia algum grau de demanda essencial que enchia os hotéis urbanos - funcionários importantes, provedores de saúde e outros hóspedes do hotel que viajavam por necessidade. Este ano, a demanda com base na pandemia caiu consideravelmente, mas as empresas e os grupos ainda não recuperaram a níveis significativos.”