Destaque Da Semana

Air France Mantêm Manutenção De 180 Aeronaves Enquanto A Pandemia De Covid-19

Diante da crise de saúde sem precedentes que está decorrendo, a Air France reduziu drasticamente sua atividade. A companhia aérea agora opera cerca de 5% de sua programação habitual de vôos, e 180 de suas 224 aeronaves estão atualmente no solo, armazenadas em Paris-Charles de Gaulle, Paris-Orly e Toulouse-Blagnac, onde a Air France tem uma base de manutenção.


Enquanto muitos aeroportos estão completamente ou parcialmente fechados, nos bastidores, a atividade continua. Todos os dias, cerca de 1.000 pessoas nos vários locais de armazenamento monitoram a aeronave imobilizada e mantêm as 40 aeronaves que continuam operando vôos de continuidade territorial e serviço para destinos-chave na Europa, e em todo o mundo. A Air France também continua a fornecer vôos de repatriação para cidadãos franceses e europeus, em coordenação com o Ministério da Europa e Relações Exteriores, bem como vôos de carga, incluindo de/para a China, como parte do transporte aéreo para a entrega de equipamentos médicos.


Atenção Especial Para Cada Aeronave

A organização desse armazenamento - único na história do transporte aéreo - é um trabalho meticuloso realizado de acordo com as recomendações dos fabricantes de aeronaves - Airbus e Boeing. Entre os 3 tipos de aeronaves de armazenamento existentes, a Air France optou pelo chamado armazenamento "ativo", adequado para ativos fixos entre 1 e 3 meses, e exigindo cerca de 150 horas de trabalho divididas em 3 etapas. O armazenamento inicial, o passo mais longo, é proteger a aeronave e prepará-la para o armazenamento, incluindo:
  • Instalando lonas e caches para entupir todas as entradas de ar onde insetos ou animais poderiam fazer ninho;
  • A obstrução dos reatores ou o bloqueio do pálido, dependendo do tipo de dispositivo;
  • Limpeza aprofundada de áreas críticas, como trem de pouso e equipamento hidráulico;
  • Enverzando trem de pouso e elementos de asa;
  • Verificando os níveis de umidade.
Atividades recorrentes, a frequência depende do tipo de dispositivo e das recomendações do fabricante, incluindo:
  • Verificando a condição das proteções;
  • Inspeções visuais da verificação de aeronaves e sistemas;
  • Mover a aeronave alguns metros para aliviar pneus ou rotação de roda sem mover a aeronave, usando um macaco;
  • A partida dos motores e do APU (gerador auxiliar);
  • O desestoque inicial, que prepara o retorno ao serviço do dispositivo.
Esta etapa requer até 2 dias de trabalho e inclui a remoção das diversas proteções aplicadas na aeronave, e a verificação de que tudo está a fim de retomar os vôos de acordo com os procedimentos e requisitos regulatórios da companhia aérea.

Géry Mortreux, Vice-Gerente Geral de Manutenção de Engenharia, acrescentou: "Neste contexto excepcional, nossa prioridade é a segurança de nossos vôos, nossos clientes, e nossa equipe. Hoje, cuidamos de toda a nossa frota todos os dias, cuidamos de cada um de nossos aviões, nada é deixado ao acaso. Por enquanto, limitamos a presença no solo respeitando medidas sanitárias como a distância social, o fornecimento de máscaras, luvas, géis hidroalcoólicos e lenços umedecidos, bem como a desinfecção regular de nossas instalações. Nossa missão prioritária é manter a frota nas melhores condições para permitir que nossa aeronave decole com segurança o mais rápido possível."