Destaque Da Semana

Jordânia Recebeu 10% Mais Turistas Em Julho

Número de visitantes chegou a 532 mil no mês passado. Remessas de expatriados ao país superou US$ 2,5 bilhões no primeiro semestre

O número de turistas na Jordânia cresceu 9,8% em julho sobre o mesmo mês do ano passado, para 531.806 pessoas, segundo dados divulgados nesta terça-feira (06) pelo Ministério do Turismo e Antiguidades do país. As informações são da agência de notícias jordaniana Petra.


O total de visitantes que pernoitaram no país aumentou 7,1% na mesma comparação, para 453.446 pessoas. A cidade histórica de Petra, uma das principais atrações da Jordânia, recebeu 58.449 turistas, um acréscimo de 38,9% sobre julho de 2018.

O ministro do Turismo, Majd Shwaikeh, disse que o crescimento foi influenciado por fatores como a divulgação do país no exterior, a competitividade do setor de turismo local, a redução de tarifas de eletricidade para hotéis, a isenção de taxas de visto para turistas e a introdução de companhias aéreas de baixo custo no mercado jordaniano.

Shwaikeh acrescentou que o setor precisa de 5 mil trabalhadores a mais por ano, o que mostra a necessidade de treinamento para capacitação de profissionais. Ele disse ainda que a falta de vôos diretos entre a Jordânia e a China é um dos principais desafios do segmento.


Reservas

Ainda nesta terça-feira, o Banco Central da Jordânia informou que as remessas de dinheiro por jordanianos que vivem no exterior somaram 1,8 bilhão de dinares (US$ 2,54 bilhões) no primeiro semestre, um aumento de 1,3% sobre o mesmo período do ano passado.

As reservas internacionais da Jordânia chegaram a 14 bilhões de dinares (US$ 19,75 bilhões). Tanto o turismo como as remessas de expatriados são importantes fontes de divisas para o país.

Durante uma conferência de empresários e investidores jordanianos expatriados, em Amã, o presidente do Banco Central, Zeyad Fareez, afirmou que a instituição tem uma “janela de financiamento” de 1,2 bilhão de dinares (US$ 1,69 bilhão) para financiar projetos nas áreas de turismo, indústria, energias renováveis, tecnologia, saúde, entre outras.


Comentários