Destaque Da Semana

Cuba Condena A Limitação De Viagens À Ilha Pelos Estados Unidos

Do país caribenho dizem que não conseguirão "tirar concessões políticas"

O governo cubano manifestou a sua oposição à as últimas medidas tomadas pelos Estados Unidos limitar viagens de seus cidadãos para a ilha , garantindo que eles vão não recebem "arrancar concessões políticas", como eles buscam e sublinhando que a solidariedade com a Venezuela "não é negociável" - onde em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba destacou que "esta nova escalada" está buscando "arrancar concessões políticas" de Cuba "sufocando a economia e prejudicando o nível da população", além de prevenir que os americanos sabem "a realidade cubana" contra a "propaganda caluniosa que é feita diariamente" contra a ilha.


O governo cubano culpa especificamente o Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, que em sua opinião teria aproveitado a política externa de seu país para o Hemisfério Ocidental, "que constitui a principal ameaça à paz e à estabilidade de toda a região."

Ele também criticou que entre os "pretextos" apresentado nesta figura tempo "acusação caluniosa que Cuba deve intervir militarmente na Venezuela, em uma mentira que foi rejeitada publicamente e sustentada pelo governo cubano" e que tem vindo a "propor Cuba que trai suas convicções (...) em troca de promessas de negociação ou alívio das medidas draconianas e criminosas que compõem o bloqueio econômico."

A este respeito, o Governo de Miguel Diaz-Canel sublinhou que "solidariedade" de seu país, tanto com o presidente venezuelano Nicolas Maduro como a "Revolução Bolivariana e Chávez e a união civil-militar de seu povo, não é negociável."

Assim, assegurou que os 20 mil colaboradores cubanos que voluntariamente prestam "serviços sociais" na Venezuela permanecerão lá "enquanto o povo venezuelano os recebe". "Para os cubanos, a traição não é uma opção", insistiu o governo da ilha.

"Não somos ingênuos (...) Cuba não se deixará intimidar, nem desviará das tarefas essenciais e urgentes do desenvolvimento de nossa economia e da construção do socialismo", garantiu o executivo cubano, que se mostrou cego: "Não eles podem nos sufocar, nem podem nos impedir."


Novas Sanções Dos EUA

O governo dos Estados Unidos anunciou na terça-feira (04) novas restrições às viagens a Cuba por seu "papel desestabilizador no Hemisfério Ocidental" e, especificamente, por seu apoio aos governos da Venezuela, e da Nicarágua.

"Cuba continua a desempenhar um papel desestabilizador no Hemisfério Ocidental, dando um ponto de apoio para o comunismo na região e sustentando adversários dos Estados Unidos em lugares como Venezuela e Nicarágua para fomentar a instabilidade, minar o Estado de Direito e para suprimir processos democráticos ", disse o secretário do Departamento do Tesouro, Steven Mnuchin.

"Esse governo adotou a decisão estratégica de reverter a redução de sanções e outras restrições ao regime cubano", disse ele, antes de acrescentar que "essas ações ajudarão a manter os dólares longe das mãos do Exército, e dos serviços de Inteligência e Segurança de Cuba."

Assim, o fim foi anunciado para aqueles conhecidos como viagens educacionais de pessoa para pessoa, uma das isenções mais comuns para evitar a proibição geral do turismo americano para Cuba.

De acordo com a nova norma, essas viagens serão autorizadas no momento, desde que o viajante tenha completado pelo menos uma transação relacionada à viagem, como a compra do bilhete ou a reserva de acomodação, antes de 5 de junho.

Por outro lado, o governo Trump anunciou que a emenda aos regulamentos de exportação exclui os barcos de recreio e aviões privados das isenções de licença, o que poderia pôr fim aos cruzeiros para a ilha.


Comentários