Destaque Da Semana

Lufthansa Terá Crescimento Com A Operação Da Eurowings Dentro De Seus Hubs

Anunciado em março, a Lufthansa vai começar a expandir suas rotas de longa distância com operações de transferência da Eurowings, divisão de baixo custo e baixas taxas (LCC, por sua sigla em Inglês) para os centros de Frankfurt e Munique. Embora não seja uma mudança total da estratégia nos vôos ponto a ponto, a empresa alemã busca fortalecer suas operações aproveitando as vantagens oferecidas pelos hubs para distribuir o tráfego independente da segmentação da passagem.


A decisão é tomada após os sucessos de Edelweiss, em Zurique, companhia aérea, que estendeu as operações para Buenos Aires (EZE) durante o verão do hemisfério sul e a colocação da primeira aeronave da Eurowings no centro de Munique. No aeroporto da Baviera a Lufthansa faz uma primeira experiência com o aumento da capacidade nesta localidade com a transferência de mais aeronaves, incluindo alguns Airbus A380, e o lançamento de novas rotas; uma tendência que continuará este ano e inclui a recuperação da ligação Munique - São Paulo (GRU), além do voo da subsidiária LCC para Bangkok.

Como afirmado pela Lufthansa, a Eurowings vai começar a fazer vôos de longo curso durante o quarto trimestre deste ano, com vôos de férias para Maurício, no Oceano Índico e Barbados, no Caribe. Além disso, os vôos são adicionados a Windhoek na Namíbia. Em Munique, a holding alemã está considerando a inclusão de outros destinos.

A Lufthansa defende sua estratégia argumentando que a demanda por viagens personalizadas está crescendo devido à capacidade de oferecer viagens simples (por tranche) a preços mais baixos, o que impulsiona o segmento de férias ou VFR.

"Hoje, o Grupo Lufthansa já é um dos maiores provedores de viagens de férias na Europa. A demanda está aumentando rapidamente, especialmente nessa área. Portanto, é consistente que nós fornecemos uma linha adicional de produtos em Frankfurt e Munique expandir nosso portfólio ", diz Harry Hohmeister, um membro do conselho da Lufthansa e diretor comercial das redes aéreas.

Em sua nova decisão, a Lufthansa participa da experiência aplicada pela Air France para o lançamento da Joon como uma companhia aérea híbrida para rotas de médio e longo alcance com maior sensibilidade à demanda. No caso francês, a companhia aérea se beneficia da comercialização de sua principal empresa e da contribuição que o hub faz para alimentar cada um dos vôos. Embora Joon não continue em aproximadamente 60 dias, seu fechamento não é devido ao fracasso do modelo, mas à dificuldade de posicionar o conceito da marca. Prova disso é que as rotas Joon serão assumidas pela Air France.

A Lufthansa indica que apoiará a comercialização de vôos Eurowings através dos seus canais de vendas e dos diferentes serviços oferecidos globalmente, direta ou indiretamente. "Agora vamos usar esse know-how mais fortemente no segmento de turismo", diz Hohmeister.

Para a operação dos vôos, sete A330-200 com capacidade para 310 passageiros serão utilizados e a capacidade será distribuída igualmente entre os centros de Frankfurt e Munique.

Não está excluído que dar continuidade ao desenvolvimento positivo desta estratégia, a Lufthansa pode usar esta fórmula para servir destinos para composição da demanda ou têm um número rentável de passageiros, não podendo ser servido corretamente. Essas oportunidades poderão ser aumentadas nos próximos anos com a renovação da frota que deve ser encaminhada para a subsidiária LCC.


Comentários