Campos Do Jordão

Etimologia

Campos do Jordão é um município brasileiro localizado no interior do estado de São Paulo, mais precisamente na Serra da Mantiqueira. Faz parte da recém-criada Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte, sub-região 2 de Taubaté.

A cidade fica à altitude de 1 628 metros, sendo portanto, o mais alto município brasileiro, considerando a altitude da sede. Sua população estimada, em 2014, era de 50 541 habitantes. Distante 173 quilômetros da cidade de São Paulo, sua principal via de acesso é a Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro.

Em 29 de abril de 1874, Mateus da Costa Pinto adquiriu alguns lotes à beira do Rio Imbiri e a data passou a ser considerada a data oficial de fundação do município. Em 1934, Campos do Jordão emancipou-se de São Bento do Sapucaí e a partir da década de 1950, a cidade passou a se consolidar como um dos principais destinos de inverno do Brasil. Campos do Jordão é um dos quinze municípios paulistas considerados estâncias climáticas pelo governo paulista.

Campos do Jordão é chamada de "Suíça Brasileira", como estratégia de marketing, pela sua arquitetura tardia baseada em construções europeias e pelo seu clima mais frio que a média brasileira. Por isso, a cidade recebe maior quantidade de turistas tanto nacionais quanto internacionais durante a estação do inverno, especialmente no mês de julho.


História

Os primeiros habitantes conhecidos da região foram índios pertencentes a várias etnias: puris, caetés, guarulhos e cataguás. A partir do século XVI, a região começou a ser percorrida por desbravadores de origem portuguesa, como Martim Corrêa de Sá, Gaspar Vaz da Cunha e Inácio Caetano Vieira de Carvalho. A família deste último vendeu suas terras na região para Manuel Rodrigues do Jordão, cujo sobrenome veio a conferir à região seu nome atual. As terras de Jordão foram loteadas e vendidas na segunda metade do século XIX.

Em 20 de setembro de 1790, Inácio Caetano Vieira de Carvalho chegou, no alto da Serra da Mantiqueira, na Fazenda Bonsucesso. Desde então, passou a ser hostilizado pelo vizinho João Costa Manso por problemas com os limites da fazenda. Essa briga iniciou uma luta aberta entre paulistas e mineiros que só terminou em 1823, quando morreram Vieira de Carvalho e Costa Manso. Os Vieira de Carvalho venderam a Fazenda Bonsucesso ao brigadeiro Jordão, que mudou o nome da fazenda para Natal, mas ficou conhecida como os Campos do Jordão.

Em 19 de junho de 1934 conseguiu sua autonomia político-administrativa com a criação do município. O nome do município homenageou o Brigadeiro Jordão, pois, na época, era costume ligar-se o nome do proprietário à propriedade.[8] A partir da década de 1950, o avanço da medicina fez com que a tuberculose deixasse de ser uma doença tão perigosa. Com isso, a cidade passou a desenvolver o turismo. Atualmente, é um dos principais destinos de inverno do Brasil.


Geografia

É o município com a sede administrativa mais elevada do país, atingindo 1 628 metros acima do nível do mar, onde está localizada a prefeitura da cidade, e que pode variar para mais de 2 000 metros nos arredores do município. Está localizado no maciço da Serra da Mantiqueira, uma das mais elevadas cadeias de montanhas do Brasil. Possui uma área de 289,5 km².

Campos do Jordão é um dos quinze municípios paulistas considerados estâncias climáticas pelo governo paulista, por cumprirem os pré-requisitos definidos por lei estadual.


Clima

O clima de Campos do Jordão é classificado como oceânico ou temperado marítimo (do tipo Cfb na classificação climática de Köppen-Geiger), com diminuição de chuvas no inverno, mas não o suficiente para classificá-lo como Cwb (clima oceânico com inverno seco). Os verões são amenos, com temperaturas médias inferiores a 22 °C, mesmo no mês mais quente, e superiores a 10 °C em pelo menos quatro meses do ano. A precipitação média anual é de aproximadamente 1 850 milímetros anuais, concentrados nos meses de verão.

A temperatura média compensada anual gira em torno dos 14 °C, chegando a cair para abaixo de zero no inverno, com sensação térmica que pode ser ainda menor. Apesar de situada em altitude elevada, a ocorrência de neve em Campos do Jordão é rara, pois o inverno é seco influenciado pelas monções, tendo sido registrada em anos como 1928, 1942, 1947 e 1966.

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), desde 1961 a temperatura mínima absoluta registrada em Campos do Jordão de -7,2 °C em 6 de junho de 1988. Fora desse período há outros registros não oficiais de temperatura ainda menores, como de -7,4 °C em 26 de junho de 1918, -8 °C em 25 de julho de 1923 e -8,7 ºC em julho de 1926. A máxima absoluta no mesmo período foi de 30,5 ºC em 17 de setembro de 1961. Em outras duas ocasiões a temperaturas chegou aos 30 °C, sendo elas nos dias 21 de setembro de 1961 e 14 de outubro de 1963.

O maior acumulado de precipitação em 24 horas foi de 146,7 mm em 10 de março de 1965.


Comunicações

Na telefonia fixa, a cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 as duas centrais telefônicas da cidade (Abernéssia e Emílio Ribas), utilizadas até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo.


Cultura

O Festival de Inverno de Campos do Jordão é um grande festival de música erudita do Brasil que acontece todos os anos no mês de julho, no Auditório Cláudio Santoro. Foi idealizado em 1970 pelo então secretário estadual da Fazenda, Luis Arrobas Martins e inspirado no Festival de Tanglewood. É considerado o maior festival de música clássica da América Latina. Em setembro, a cidade realiza o Festival da Viola.

Campos do Jordão abriga o Palácio Boa Vista, detentor de um amplo acervo de arte nacional do período colonial e do modernismo, aberto à visitação pública. Também possui o Museu Casa da Xilogravura - o maior em seu tipo existente no país - e o Museu Felícia Leirner, com esculturas a céu aberto. Junto à fábrica do Chocolate Araucária, pode-se conhecer um pouco do processo de produção do chocolate e visitar o Museu do Chocolate.