Destaque Da Semana

Cruzeiros Marítimos São Suspensos No Brasil Após Surto Do Novo Coronavírus Em Três Embarcações

A Cruise Line International Association (CLIA) informou que as armadoras do setor vão suspender voluntariamente as suas operações no Brasil até dia 21 de janeiro.

MSC Splendida foi uma das embarcações onde ocorreram os surtos do novo coronavírus. (Arquivo/BTS.news)

A decisão acontece após cinco navios de cruzeiro que operam atualmente na costa brasileira registrarem casos de covid-19 entre os seus tripulantes e passageiros, e três sofreram novas restrições sanitárias determinadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo a CLIA, os casos identificados no Brasil consistem em "uma pequena minoria da população total a bordo", mas a decisão de suspensão temporária procura alinhar com as autoridades locais “para resolver as diferenças de interpretação e aplicação das medidas previamente aprovadas com este novo cenário”.

"A atual temporada, após o término da suspensão, poderá ser cancelada na íntegra se não houver adequação e alinhamento entre todas as partes envolvidas para possibilitar a continuidade da operação", acrescentou a nota.

A Anvisa, agência de vigilância sanitária brasileira, informou ontem que três navios cruzeiros que navegam na costa do país receberam sanções, dois foram declarados no nível 4 de gravidade epidemiológica, ou seja, quando já se constatou que a transmissão a bordo é comunitária e elevada, portanto, devem suspender as operações, e um terceiro foi classificado no nível 3, em que há infeções e transmissão, mas não em níveis preocupantes.

A agência também esclareceu que monitoriza a situação a bordo dos cinco navios que operam atualmente no Brasil após ter solicitado ao Ministério da Saúde, na sexta-feira, sem ter recebido resposta, a suspensão da temporada que começou em dezembro e se deve estender até março.

O Brasil, um dos três países mais afetados pela pandemia do novo coronavírus junto com os Estados Unidos da América e a Índia, acumula cerca de 620.000 mortes e 22,3 milhões de casos da covid-19.

Comentários