Covid-19: Portugal Tem 75% Das Agências De Viagem Em Linhas De Apoio

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou na semana passada em Aveiro, no 46º Congresso da APAVT, que "75% das agências de viagens socorreram-se até ao momento das várias linhas de apoio disponibilizadas" desde o início da pandemia de covid-19.

"Estamos falando de impactos brutais. Em 2019 tivemos a nível de resultados líquidos do setor mais de bilhões de euros. Em 2020 estamos falando de cerca de 1,5 bilhão negativos", começou por dizer Rita Marques. "São tempos muito difíceis e muito desafiantes". A secretária de Estado do Turismo falava na sessão de encerramento do 46º Congresso da APAVT, cujo tema foi o "Reencontro" e que, na sua visão, possibilitou "sobretudo falar num grito de alerta de sobrevivência do setor".

Para Rita Marques, este evento "foi também uma oportunidade para que o próprio setor, todos os empresários possam fazer este grito de alerta dando conta que continuam a solicitar ajuda. Essa ajuda naturalmente tem que vir".

Sobre os apoios para as empresas, a secretária de Estado do Turismo frisou que o Governo vai "continuar a trabalhar no programa de apoio à manutenção do emprego" e destacou a importância da linha de apoio de 150 milhões de euros para o turismo. "É uma linha importante principalmente para aquelas empresas que não conseguiram aceder à linha dos vouchers", sendo "útil tanto para tesouraria como para investimento".

A linha de 150 milhões de euros "permite que as empresas que tivessem capitais negativos a 2019 pudessem corrigi-los e aceder a esta linha de modo a garantir o estorno dos valores relativos aos vouchers", uma condição que "estava vedada na linha dos vouchers e por isso tivemos algumas empresas que pese embora terem predisposição para corrigir os seus capitais negativos a 2019 não o puderam fazer porque não eram elegíveis na linha dos vouchers".

"Esta também é uma linha importante porque viabiliza plafonds majorados para as agências de viagens. Tem uma valorização positiva para as agências de viagens e portanto não deve ser desperdiçada", acrescentou.

Rita Marques revelou então que "75% das agências de viagens socorreram-se até ao momento das várias linhas de apoio disponibilizadas, o que não deixa de ser de alguma forma também desconcertante, e provavelmente também será a razão pela qual este reencontro não é um reencontro de todos, mas só de alguns ou de muitos".

"Continuaremos a trabalhar para que o setor do turismo na generalidade, das agências de viagens na especificidade são um motor importantíssimo para a retoma deste país", concluiu.