Destaque Da Semana

UNWTO: Vacinas E Reabertura De Fronteiras Impulsionam A Recuperação Do Turismo

Madri, Espanha - O turismo internacional teve sinais de recuperação em junho e julho de 2021, à medida que alguns destinos atenuaram as restrições a viagens e a implementação da vacinação global avançou em muitas partes do mundo.

De acordo com a última edição do Barômetro Mundial do Turismo da OMT, estima-se que 54 milhões de turistas cruzaram as fronteiras internacionais em julho de 2021, uma queda de 67% em relação ao mesmo mês de 2019, mas os resultados mais fortes desde abril de 2020. Isso se compara a cerca de 34 milhões de chegadas internacionais registradas em julho de 2020, embora bem abaixo dos 164 milhões registrados em 2019.


Recuperação Moderada Para A Maioria Dos Destinos

A maioria dos destinos que relatam dados de junho e julho de 2021 viu uma recuperação moderada nas chegadas internacionais em comparação com 2020. No entanto, 2021 continua a ser um ano desafiador para o turismo global, com as chegadas internacionais caindo 80% em janeiro-julho em comparação com 2019.

Ásia-Pacífico continuaram com os resultados mais fracos no período de janeiro a julho, com queda de 95% nas chegadas internacionais em relação a 2019. O Oriente Médio (-82%) registrou a segunda maior queda, seguido pela Europa e África (ambos -77% ) As Américas (-68%) tiveram uma queda comparativamente menor, com o Caribe apresentando o melhor desempenho entre as sub-regiões mundiais. Enquanto isso, algumas pequenas ilhas no Caribe, África e Ásia-Pacífico, junto com alguns pequenos destinos europeus, registraram o melhor desempenho em junho e julho, com chegadas próximas ou às vezes excedendo os níveis pré-pandêmicos.


A Confiança Nas Viagens Aumenta Lentamente

Essa melhora foi impulsionada pela reabertura de diversos destinos para viagens internacionais, principalmente na Europa e nas Américas. O relaxamento das restrições de viagem para viajantes vacinados, juntamente com o progresso feito na implementação das vacinas COVID-19, contribuiu para aumentar a confiança do consumidor e restaurar gradualmente a mobilidade segura na Europa e em outras partes do mundo. Em contraste, a maioria dos destinos na Ásia permanece fechada para viagens não essenciais.

O Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili, disse: “Há claramente uma forte demanda por turismo internacional e muitos destinos começaram a receber os visitantes com segurança e responsabilidade. No entanto, o verdadeiro reinício do turismo e os benefícios que ele traz permanecem em espera, visto que regras e regulamentos inconsistentes e taxas de vacinação desiguais continuam a afetar a confiança nas viagens.”


Receitas De Turismo

Embora os destinos continuem a reportar receitas de turismo internacional fracas nos primeiros sete meses de 2021, vários registraram uma melhora modesta em junho e julho, e alguns até superaram as receitas de 2019. Entre os destinos maiores, o México obteve aproximadamente as mesmas receitas de turismo em junho de 2021 como em 2019 e em julho apresentou um aumento de 2% em relação a 2019.

O mesmo é válido para viagens de ida. Entre os maiores mercados, a França (-35%) e os Estados Unidos (-49%) tiveram uma melhora significativa em julho, embora os gastos com turismo ainda estivessem bem abaixo dos níveis de 2019.


Olhando Para A Frente

As perspectivas para setembro-dezembro de 2021 permanecem mistas, de acordo com a última pesquisa do Painel de Especialistas da OMC, com 53% dos entrevistados acreditando que o período será pior do que o esperado. Apenas 31% dos especialistas esperam apontar melhores resultados no final do ano. A pesquisa também mostra que a maioria dos profissionais de turismo continua esperando uma recuperação impulsionada pela demanda reprimida desencadeada por viagens internacionais em 2022, principalmente durante o segundo e terceiro trimestres.

Quase metade de todos os especialistas (45%) continua vendo o turismo internacional retornar aos níveis de 2019 em 2024 ou mais tarde, enquanto 43% apontam para uma recuperação em 2023. Por regiões, a maior parcela de especialistas aponta para um retorno aos níveis de 2019 em 2024 ou mais tarde estão na Ásia-Pacífico (58%). Na Europa, metade dos entrevistados indica que isso pode acontecer em 2023. O Oriente Médio é o mais otimista, com uma recuperação total prevista para 2022.