Destaque Da Semana

Pandemia Tirou Quase Metade Dos Turistas Estrangeiros A Espanha Em Agosto

Espanha recebeu neste agosto, ‘pico’ da época alta do turismo e decisivo para os resultados do ano, cerca de metade do que recebera no mês homólogo pré-pandemia de covid-19.

Dados publicados hoje pelo INE espanhol indicam que o país recebeu em agosto 5,19 milhões de turistas residentes no estrangeiro, que são menos 48,7% ou menos 5,29 milhões que em agosto de 2019, no qual estiveram em Espanha 10,11 milhões de turistas.

A informação mostra que a queda do número do número de turistas residentes em países europeus, maiores emissores para o país, representando 92,6% do total, foi ligeiramente menor, em 45,7% ou cerca de quatro milhões, para 4,8 milhões.

O maior emissor foi a vizinha França, de onde chegaram quase um quarto (24,9%) dos turistas recebidos em agosto e o único a superar o milhão, com 1,29 milhões, à frente do Reino Unido, de onde chegaram 13,8% do total do mês, com 714,6 mil, e Alemanha, que foi a origem de 13% (677,5 mil).

Na comparação com agosto de 2019, a maior quebra deu-se nas chegadas de turistas residentes no Reino Unido, que em agosto deste ano foram menos 1,45 milhões (-67,1%), e seguidamente França, com descida de 728,8 mil (-36,1%) e Alemanha, com menos 452,4 mil (-40%).

O número de turistas residentes em Portugal baixou menos que a queda média de turistas europeus, em 35%, com uma descida de 136,4 mil, para 253,2 mil.

Em relação aos emissores de longo curso, o INE espanhol apenas especifica as chegadas de residentes nos Estados Unidos, que baixaram 58,6% ou 160,6 mil, para 113,5 mil.

De resto, o Instituto indica apenas que do conjunto “Resto da América” houve uma quebra em 66% ou 228,1 mil, para 117,4 mil, e do conjunto “Resto do Mundo” houve um decréscimo em 75,7% ou 482 mil, para 154,4 mil.

Entre os maiores emissores do mês de agosto, os Países Baixos tiveram a menor queda relativa do número de turistas em Espanha, com decréscimo em apenas 9% (menos 40,9 mil, para 413,9 mil).