Destaque Da Semana

Austrian Airlines: UE Deve Construir Plataforma Para Combustíveis Sustentáveis

- O objetivo comum deve ser voos ecológicos em nível global

- Os fundos das taxas ambientais devem ser usados ​​nacionalmente para desenvolver e promover combustíveis sustentáveis

- O pacote de CO2 "Fit for 55" não deve levar as desvantagens competitivas para as companhias aéreas europeias

O pacote de medidas "Fit for 55" apresentado hoje pela Comissão da UE visa reduzir as emissões de gases de efeito estufa em pelo menos 55% até 2030. O pacote define o curso não apenas em termos de política climática, mas também em termos de política industrial. No setor da aviação, o pacote inclui um endurecimento do comércio de emissões, a introdução de um imposto sobre o querosene para voos intra-europeus e uma taxa obrigatória de mistura cada vez maior para os combustíveis de aviação sustentáveis ​​(SAF) mais caros.

Durante anos, a Austrian Airlines trabalhou para reduzir a pegada ecológica da companhia aérea a longo prazo. A questão não é se tornar o voo mais ecologicamente correto, mas como. Juntamente com o Grupo Lufthansa, a Austrian Airlines pretende reduzir pela metade as emissões de CO2 até 2030 e operar de forma neutra em CO2 até 2050.

As medidas regionais no âmbito do "Fit for 55", como o comércio de emissões, um imposto intra-europeu sobre o querosene ou a combinação de quotas, podem conduzir a uma transferência dos voos de transferência para centros fora da UE.

Se, por exemplo, um passageiro a caminho de Stuttgart para Tóquio trocar de avião em Viena, uma taxa de querosene será cobrada em seu voo alimentador. No entanto, se o passageiro mudar de avião em Istambul em vez de Viena, nenhum imposto sobre o querosene será aplicado. Assim, nenhum voo é evitado, mas apenas deslocado em detrimento do ambiente através de rotas mais longas e também em detrimento das companhias aéreas da rede europeia, como a Austrian Airlines. "Congratulamo-nos com os esforços europeus para uma maior proteção do clima, também para a aviação. No entanto, as medidas não devem distorcer a concorrência, caso contrário não protegemos o clima, mas a economia doméstica será prejudicada ao máximo", disse o CEO da Austrian Airlines, Alexis von Hoensbroech. "As instituições europeias não devem colocar obstáculos adicionais no caminho da aviação doméstica, mas construir a plataforma de lançamento para o uso de combustíveis sustentáveis ​​que não prejudicam o clima."

A maior alavanca para voos neutros para o clima está no uso de combustíveis sustentáveis, que podem reduzir as emissões em até 80%, razão pela qual uma cota de mistura correspondente é bem-vinda. Isso trará demanda e, portanto, aumentará a produção. "Para a cota planejada para combustíveis sustentáveis, no entanto, um mecanismo de financiamento deve ser encontrado que inclua todos os fornecedores igualmente e não deixe a carga recair sobre as asas europeias", explica o CEO austríaco Alexis von Hoensbroech.

"Ao destinar taxas ambientais, como a receita do comércio de emissões mais estrito ou de um imposto sobre o querosene, para a promoção de combustíveis sustentáveis, seria possível compensar a desvantagem competitiva. As companhias aéreas que fazem muito pela proteção do clima não deveriam ter desvantagem em comparação com aqueles que pouco ou nada fazem", conclui Alexis von Hoensbroech.