Destaque Da Semana

KLM, Shell E Holanda Realizam Primeiro Voo Comercial Com SAF

Empresas e Ministério Infraestrutura e Gestão de Água se uniram para um voo inédito; transição do combustível fóssil para alternativas sustentáveis é um dos maiores desafios da aviação

São Paulo - Pela primeira vez no mundo, um voo de passageiros parcialmente realizado com querosene sintético produzido de forma sustentável foi realizado na Holanda. O anúncio foi feito no inicio desta semana durante a conferência internacional sobre Combustíveis Sustentáveis Sintéticos de Aviação (SAF) em Haia. A Shell, produtora do querosene sustentável e a KLM, operadora do voo, apresentaram este feito durante a reunião liderada por Cora van Nieuwenhuizen, Ministra de Infraestrutura e Gestão da Água da Holanda. Políticos europeus, legisladores, representantes da comunidade empresarial, a indústria da aviação e ONGs participaram da conferência. Assista ao vídeo (em inglês) da produção do combustível ao abastecimento.

Na foto: à esquerda, Jeroen Kok, capitão e piloto de engenharia do Boeing 737; Pieter Elbers, CEO da KLM; e Roland Spelt, gerente de projeto da Shell. (Divulgação)

A Holanda é um dos países da Europa que visa liderar e impulsionar o desenvolvimento e a aplicação de combustíveis sustentáveis de aviação para tornar a aviação mais sustentável. O país quer estimular o estudo e a aplicação de combustíveis sustentáveis de aviação (biocombustíveis e querosene sintético) para que as companhias aéreas europeias possam voar inteiramente com combustível sustentável até 2050. O governo holandês apoia diversas iniciativas para estimular a produção e o uso e, assim, torná-lo comercialmente viável. A construção da primeira fábrica europeia de bioquerosene sustentável em Delfzijl, na Holanda, para a qual a SkyNRG está colaborando com a KLM, Aeroporto de Schiphol e SHV Energy, é um exemplo.


500 Litros Entregues, Reabastecidos E Usados

Conforme anunciado durante a conferência, o primeiro voo comercial de passageiros partiu do aeroporto Schiphol de Amsterdã para Madrid no mês passado, e foi realizado com uma mistura de 500 litros de querosene sintético sustentável. A Shell produziu o querosene sintético em seu centro de pesquisa em Amsterdã com base em CO2, água e energia renovável do sol e vento.

"Estou orgulhoso de que a KLM operou o primeiro voo da indústria usando querosene sintético feito de fontes renováveis. A transição do combustível fóssil para alternativas sustentáveis é um dos maiores desafios da aviação. A renovação da frota contribuiu significativamente para a redução das emissões de CO2, mas o aumento da produção e o uso de combustível de aviação sustentável farão a maior diferença para a atual geração de aeronaves. É por isso que nos associamos a vários parceiros há algum tempo para estimular o desenvolvimento de querosene sintético sustentável. Este primeiro voo mostra que isso é possível na prática e que podemos seguir em frente", afirma Pieter Elbers, CEO da KLM.

"Tornar a aviação mais sustentável é um desafio internacional que enfrentamos juntos. Hoje estamos dando um grande passo no novo capítulo da aviação. Esta inovação promissora será de grande importância nas próximas décadas para reduzir as emissões de CO2 da aviação. É ótimo que na Holanda tenhamos sido os primeiros a mostrar que isso é possível: parabenizo a todos os envolvidos. Espero que, nestes tempos turbulentos para a aviação, isso inspire as pessoas do setor a continuar neste curso", disse, Cora van Nieuwenhuizen, Ministra de Infraestrutura e Gestão da Água da Holanda.

"A Shell é um participante ativo na transição energética e nossa contribuição para este feito inédito é um exemplo disso. Estou extremamente orgulhoso por termos conseguido produzir 500 litros de combustível para aviação pela primeira vez com base em CO2, água e energia renovável. É um primeiro passo importante e, junto com nossos parceiros, agora precisamos expandir, acelerar e torná-lo comercialmente viável", exalta Marjan van Loon, Presidente e CEO Shell Holanda.


Novas Iniciativas E Startups

Durante a conferência, o palco foi montado para várias novas iniciativas e startups. Por exemplo, a startup Synkero anunciou que está colaborando com o Porto de Amsterdã, Schiphol, KLM e SkyNRG na realização de uma fábrica comercial de querosene sustentável sintético no porto de Amsterdã. O projeto busca se conectar com iniciativas sustentáveis na área do Canal do Mar do Norte, como o de uma usina de hidrogênio de 100 megawatts, onde até 15.000 toneladas de hidrogênio verde podem ser produzidas com eletricidade sustentável.

Outra iniciativa é a construção de uma fábrica de demonstração de querosene sustentável usando o CO2 capturado do ar como matéria-prima em Rotterdam. A iniciativa Zenid, na qual estão participando Uniper, Aeroporto de Rotterdam The Hague, Climeworks, SkyNRG e Rotterdam The Hague Aeroporto de Inovação, usa uma combinação de tecnologias inovadoras para se concentrar na aviação neutra em CO2 com querosene sintético sustentável.

Vários políticos europeus, incluindo o Comissário Timmermans, o ministro dos transportes alemão Scheuer e o seu colega francês Djebbari, destacaram a importância de desenvolver combustíveis de aviação produzidos de forma sustentável para reduzir as emissões de CO2 e dar à aviação um bom futuro.

Vários Estados membros europeus indicaram durante a conferência que desejam trabalhar nisso. Em comunicado conjunto - Holanda, França, Suécia, Alemanha, Finlândia, Luxemburgo e Espanha indicam que a recuperação da crise atual devido à pandemia deve ser acompanhada por uma aceleração da sustentabilidade do setor de aviação para atingir as metas climáticas e convocar a Comissão Europeia a apresentar uma obrigação europeia de mistura de combustíveis. Os Estados-Membros consideram o desenvolvimento de querosene sintético sustentável, em adição ao bioquerosene sustentável, uma das formas mais promissoras e eficazes de reduzir as emissões da aviação nas próximas décadas.