Destaque Da Semana

Aena Airports Recupera Tráfego De Passageiros Em 60% Em Agosto

Iberia Compra A Air Europa Por 500 Milhões De Euros

- A Península Ibérica vai pagar 500 milhões de euros, que serão pagos no 6º aniversário do encerramento da operação

- O acordo está sujeito a futuras negociações com a SEPI sobre as condições não financeiras associadas ao apoio financeiro prestado à Air Europa durante 2020 e à aprovação da operação pelas autoridades comunitárias

- Entretanto, a Iberia e a Air Europa continuarão a competir em todos os mercados em que operam, como antes

- A operação permite a criação de uma operadora com porte significativo e mais resiliente para navegar na atual situação ocasionada pelo COVID , bem como qualquer outra que a indústria venha a enfrentar

- Além disso, ajuda a consolidar Madrid como um centro europeu de primeira linha, reforçando a posição da Espanha como principal potência turística e porta de entrada entre a Europa e a América Latina

- Espera-se que esta operação gere sinergias significativas que permitam o desenvolvimento de benefícios significativos para os clientes, com mais opções de conexão a partir do hub de Madrid

Javier Sánchez-Prieto, CEO da Iberia, e Javier Hidalgo, CEO da Air Europa, assinaram ontem à noite, às 00h15, um novo acordo para a compra da Air Europa pela Iberia. O acordo prevê uma redução do preço de 1.000 milhões de euros para 500 milhões de euros, a pagar seis anos após a conclusão da operação, altura em que, segundo todas as estimativas, o mercado estará recuperado.

(Divulgação)

O novo acordo é uma boa notícia para as duas companhias aéreas, seus funcionários, clientes e acionistas, e também para toda a sociedade espanhola. Uma vez obtidas as aprovações correspondentes, o acordo permitirá que ambas as companhias aéreas saiam mais rápido e mais fortes da situação atual provocada pelo COVID; ter mais capacidade para fazer face aos compromissos financeiros adquiridos durante a pandemia, como os créditos da ICO e as ajudas do Estado à Air Europa, e fortalecer o hub de Madrid para se expandir e competir melhor com os seus equivalentes europeus, cujas companhias aéreas referência receberam ajuda de bilhões de dólares de seus respectivos governos.

Luis Gallego , CEO do IAG, comentou: “Tanto a Iberia quanto o IAG estão demonstrando sua resiliência para enfrentar a crise mais profunda da história da aviação. Fazer parte de um grande grupo é a melhor garantia para superar os desafios do mercado atual que também beneficiará a Air Europa assim que a transação for concluída. Estou satisfeito por termos chegado a um acordo com a Globalia para adiar o pagamento até a recuperação esperada em viagens aéreas após o fim da pandemia e quando esperamos obter sinergias significativas como resultado da transação.”

Javier Hidalgo, CEO da Globalia, disse: "Esta transação representa um grande esforço de todos nós e é a melhor forma de recuperar o turismo, o transporte na Espanha e o hub de Madrid."

Javier Sánchez-Prieto , CEO da Iberia, afirmou: “Esta operação faz todo o sentido estratégico para reforçar a competitividade do hub de Madrid a nível global. Beneficiará os consumidores e a incorporação da Air Europa no Grupo Iberia melhorará a viabilidade da empresa, beneficiando tanto os colaboradores da Iberia como da Air Europa.”

Apesar do impacto sem precedentes da crise da Covid19 na aviação, os Conselhos de Administração do IAG e da Iberia consideram a compra estratégica para o futuro da Iberia e do IAG, especificamente para fortalecer o hub de Madrid, transformando-o num verdadeiro rival versus Amsterdam, Frankfurt e Paris Charles de Gaulle, desenvolver novas oportunidades de crescimento para sua rede e melhorar as opções para os clientes, incluindo horários mais flexíveis e novos destinos.

Espera-se que a compra gere sinergias de custos e receitas significativas, que devem atingir desempenho total em 2026 e gerar retornos atrativos sobre o capital investido em linha com aqueles historicamente alcançados pelo IAG. Por sua vez, espera-se contribuir positivamente para os resultados já no primeiro ano completo após o fechamento.

A operação poderá ser concluída no segundo semestre de 2021, estando sujeita à aprovação da Comissão Europeia e à celebração de um acordo com a SEPI no que respeita a determinadas condições associadas ao apoio financeiro prestado à Air Europa durante 2020. A Península Ibérica tem a intenção de iniciar essas conversas em breve.

Entretanto, a Iberia continuará a competir com a Air Europa em todos os mercados, como antes.

(© Google Imagens)

Uma Operação Estratégica

Conforme indicado por ocasião da assinatura do acordo inicial em novembro de 2019, a compra da Air Europa pelo Grupo Iberia tem um sentido estratégico que vai além das próprias companhias aéreas e significará um impulso sem precedentes à conectividade do país, através do hub de Madrid, com benefícios no final para os clientes, para o turismo, o comércio, o emprego e a economia em geral, que tanto necessita para se recuperar do terrível impacto da pandemia.


Hub De Madrid

De acordo com um recente relatório da KMPG em 2020 sobre o potencial de Madrid como hub internacional, das seis forças que um hub necessita para competir “na Champions League”, Madrid só consegue posicionar-se bem em metade delas.

Ou seja, possui uma posição geográfica favorável, boa infraestrutura e é fundamental para a economia local.

Porém, não tem uma intermodalidade desenvolvida; a carga não atinge a contribuição que deveria, apesar do fato de ter crescido nos últimos anos, e em termos de ter uma empresa de referência, neste caso a Iberia, o seu peso é significativamente inferior ao dos seus concorrentes na sua centros próprios, que também receberam ajuda direta multimilionária de seus respectivos governos.

Tudo isto fez com que nos últimos anos tenha vindo a perder posições relativamente aos grandes hubs europeus, tanto em dimensão como em número de voos, destinos e passageiros.

Na aviação, hubs e grandes grupos competem mais do que companhias aéreas individuais. Mas, para que Madrid possa competir com o resto dos centros europeus e se recuperar mais rapidamente do impacto da pandemia, precisa ser mais eficiente, capturar mais tráfego para abrir novas rotas com foco na Ásia, Oriente Médio e África e implantar 360º.

A incorporação da Air Europa ao Grupo Iberia permitirá que tenha a massa crítica necessária para atrair tráfego adicional de ligação, abrir-se a novos mercados, tanto de passageiros como de carga, e competir com sucesso com outros hubs europeus.

Esta operação é também muito importante na medida em que está alinhada com o investimento de 1.571 milhões de euros anunciado pelo Governo de Espanha através da AENA para o desenvolvimento e crescimento do aeroporto Adolfo Suárez Madrid-Barajas, que poderá vir a ser o porta de entrada entre a Ásia e a América Latina e entre a Europa e a África.

E também uma oportunidade de desenvolver a ligação do comboio de alta velocidade ao T4, tal como existe nos principais hubs da área, que poderão optar por utilizar fundos europeus e favorecer uma maior eficiência e sustentabilidade ambiental das operações.


A Contribuição Para A Economia Espanhola: PIB E Emprego

A pandemia veio mostrar que o turismo e a aviação são vitais para a economia, o emprego e o PIB.

De acordo com um relatório da IATA, a aviação está atrás de 1,7 milhão de empregos na Espanha e contribui com 9,2% do produto interno bruto (dados mais recentes do Banco Mundial, 2016). Além disso, por cada 1.000 passageiros adicionais obtidos, são criados cerca de 9 empregos e adicionados 850.000 euros à economia espanhola, pelo que a incorporação da Air Europa ao Grupo Iberia é também positiva para a preservação e geração de novos empregos de qualidade no futuro.

Levando-se em conta o impacto da pandemia sobre turismo, e, portanto, na economia e no emprego, esta operação fará com que a Espanha muito mais competitivo para atrair qualidade de longa distância de turismo graças à conectividade que podem ser desenvolvidas com os países emergentes, muitos dos quais têm poucas ligações a Madrid, também em comparação com outros centros europeus: isto irá favorecer um turismo mais diversificado e ajustado sazonalmente e de maior rendimento, contribuindo assim para uma recuperação melhor e mais rápida.

(© Google Imagens)

Para Clientes

Este acordo oferece a possibilidade de abrir mais rotas e tornar as existentes mais sustentáveis. Isto aconteceu com a incorporação da Vueling ou Aer Lingus ao grupo IAG, e com a criação da Iberia Express.

Por outro lado, a oferta de voos entre as diferentes companhias aéreas do grupo melhora a ocupação e, portanto, permite rotas lucrativas que não seriam lucrativas sem essa oferta. Seria uma grande oportunidade, por exemplo, de crescer na Ásia, Oriente Médio, África e América do Norte.

Além disso, as sinergias conquistadas por pertencer a um grande grupo nos permitem competir com preços mais competitivos e a oportunidade de continuar investindo em frota e novos serviços aos clientes. Isso foi visto na união da Iberia e British Airways, ou nos acordos comerciais conjuntos do Atlântico Norte ou do Japão.

A coordenação do programa de voos facilita a melhoria de horários e frequências, como aconteceu na rota Madrid-Londres entre a Iberia e a British Airways, entre outras. Assim, os clientes terão mais oferta e agilidade em termos de horários. A transação, uma vez fechada e aprovada, aumentará ainda mais a concorrência entre os vários hubs europeus.

Por fim, os clientes também terão mais oportunidades de ganhar pontos por seus programas de passageiro frequente. Os membros da Suma não perderão seu status ao ingressar no Avios.


Sustentabilidade

Uma maior oferta de voos melhora a ocupação e isso se traduz em menores emissões líquidas por passageiro.