Ryanair Visa 80% Da Capacidade Dos Níveis Pré-Pandêmicos Até O Verão De 2021

LONDRES - O CEO da Ryanair, Michael O'Leary disse que espera que a capacidade da companhia aérea volte a 80% dos níveis pré-pandêmicos até o verão do próximo ano. O'Leary colocou este prazo relaxado para capacidade devido às contínuas restrições de viagens sendo impostas por países da Europa. Ele afirmou que espera ver um aumento nas viagens assim que as restrições forem suspensas, especialmente com a vacina COVID-19 chegando ao fim dos testes.

(Airways Magazine © Marco Macca)

Portanto, com a meta do verão 2021 em mente, O'Leary já classificou a temporada de inverno 20/21 como uma “baixa” para a indústria, já que a prioridade é resgatar a indústria em vez de gerar receita.

Comentários De O'Leary

Em uma conferência de viagens esta semana, O'Leary expandiu esses pontos. "Há um otimismo razoável agora que o verão de 2021 voltará a algum grau de normalidade. No curto curso, não vejo razão para não voltarmos a 75% a 80% de 2019"

"A única restrição para nós será se podemos contratar e treinar pilotos e tripulantes de cabine. Novembro é sempre uma época ruim para o setor. A verdadeira questão para nós é se podemos resgatar algum nível de cobertura para o Natal."

"Depois disso, nada vai acontecer até provavelmente a Páscoa. Mas precisamos olhar para frente. As vacinas estão chegando - a questão é se elas estarão amplamente disponíveis no verão de 2021. Acho que sim."


Restrições Continuam A Agredir A Indústria

Com o Reino Unido sendo uma grande fatia das receitas da Ryanair, esses fundos não estão sendo recebidos devido à proibição de viagens imposta pelo governo do Reino Unido para viagens internacionais não essenciais.

Com as novas restrições em vigor até 2 de dezembro, a companhia aérea reduziu sua capacidade fora do Reino Unido em 20%, mas O'Leary afirmou que a Ryanair está “posicionada para um período de crescimento muito dinâmico”.

Ele disse, no entanto, que se isso acontecer, então um teste funcional e um regime de rastreamento devem ser implementados, adicionando críticas ao Secretário de Estado da Saúde Matt Hancock sobre a falta de efeito que o sistema teve desde sua criação.


O'Leary Pede Medidas Governamentais Agressivas

Além do Reino Unido, O'Leary criticou a União Europeia por lidar com a indústria da aviação durante a pandemia COVID-19.

Ele criticou a “incompetência” dos governos europeus na gestão da pandemia, afirmando que mais ajuda precisa ser dada ao setor de aviação se ele quiser se manter à tona durante esses tempos difíceis.

De volta ao Reino Unido, a Ryanair e O'Leary; também, pediram a remoção do imposto sobre o imposto de passageiros dos passageiros, pois isso “estimularia uma recuperação muito mais agressiva”, em vez das previsões iniciais de recuperação de 2024 por muitos analistas da indústria da aviação.

Isso também ajudaria as companhias aéreas de baixo custo, como a Norwegian, easyJet e outras que podem estar passando por dificuldades devido ao fato de tais impostos serem aplicados nas passagens para o Reino Unido.


Olhando Para A Frente

Olhando para o futuro, a Ryanair estabeleceu para si mesma uma meta fácil e gerenciável para uma recuperação quase total baseada na demanda, o que não adicionará nenhuma pressão financeira adicional à companhia aérea.

Entre agora e a temporada de verão 2021, sem dúvida veremos uma infinidade de anúncios de rotas feitos pela low cost irlandesa.

Uma pergunta que pode ser feita é, com a companhia aérea visando 80% da capacidade até o verão de 2021, se a aeronave 737 MAX 200 Gamechanger que ela encomendou estará nesses planos ou se tais entregas serão adiadas para além do período de verão.

Nesse ínterim, tudo o que podemos fazer é esperar e ver o que a Ryanair fará durante esta pandemia e se serão os passos certos para garantir o sucesso a longo prazo.

Créditos: Airways Magazine

Comentários