Destaque Da Semana

Iberia Reduz Estrutura Para Enfrentar Crise De Covid-19

Covid-19: SWISS Relata Prejuízo Operacional No Primeiro Semestre

As consequências da pandemia de coronavírus tiveram forte impacto nos resultados comerciais da SWISS nos primeiros seis meses de 2020. A companhia aérea da Suíça relatou prejuízo operacional de CHF 266,4 milhões no período, que se compara a um lucro operacional de CHF 245,3 milhões no primeiro semestre de 2019. As receitas totais do primeiro semestre de 2020 chegaram a CHF 1,17 bilhão, uma queda de 55% em relação aos CHF 2,57 bilhões do mesmo período do ano anterior.

(© Google Imagens)

A SWISS transportou 64,0% menos passageiros no primeiro semestre de 2020 do que no mesmo período do ano passado. O fator de ocupação de assentos em todo o sistema no primeiro semestre foi de 71,2%, 10,8 pontos percentuais abaixo do nível do ano anterior.

Os serviços europeus da SWISS estão tendo um reavivamento da demanda. Mas as tendências correspondentes na rede intercontinental, que é a chave para qualquer recuperação substancial de negócios, têm sido notadamente mais modestas até o momento. Em vista da situação ainda altamente dinâmica, nenhuma previsão de ganhos para o ano inteiro para 2020 pode ser feita atualmente.

As enormes restrições às viagens aéreas globais que foram impostas em resposta à pandemia do coronavírus também atingiram severamente a SWISS. Durante várias semanas na primavera, apenas um cronograma mínimo de serviços da companhia aérea poderia ser oferecido, reduzindo substancialmente os níveis de renda. As receitas totais do primeiro semestre chegaram a CHF 1,17 bilhão, 55% abaixo dos CHF 2,57 bilhões 1 do mesmo período do ano passado. O resultado operacional (ou EBIT ajustado) do período diminuiu de acordo: a SWISS registrou prejuízo operacional no primeiro semestre de CHF 266,4 milhões (que se compara a um lucro operacional de CHF 245,3 milhões no primeiro semestre de 2019). Em vista da situação geral ainda altamente dinâmica, e da imprevisibilidade, de novos desenvolvimentos, nenhuma previsão pode ser feita para o resultado do EBIT ajustado para o ano inteiro de 2020.

“Graças às ações imediatas que tomamos para proteger nossa liquidez, nossos custos fixos foram reduzidos substancialmente”, disse o diretor financeiro Markus Binkert. “Com os empréstimos do Grupo Lufthansa, e as possíveis linhas de crédito bancário apoiadas pela Confederação Suíça, nossa liquidez está segura. Mas ainda precisamos reduzir ainda mais nossos custos estruturais, para garantir que possamos pagar nossos empréstimos o mais rápido possível.”

A SWISS fará mais economias abrangentes para aprimorar sua estrutura de custos nos próximos meses - onde isso incluirá uma análise completa da implantação de sua atual frota de aeronaves e a cessação em toda a companhia aérea de todos os investimentos que não são essenciais para as operações de voo, e comerciais.


O Segundo Trimestre Foi Particularmente Atingido Pela Pandemia De Coronavírus

Embora seus efeitos já tenham sido sentidos no período do primeiro trimestre, foi no segundo trimestre de 2020 que a pandemia de coronavírus teve um impacto particularmente forte nas atividades comerciais da SWISS. Com as restrições de viagem cada vez mais severas impostas em todo o mundo, a empresa foi obrigada a reduzir seus horários de vôos ao mínimo e estacionar grande parte de sua frota de aeronaves por várias semanas. As receitas diminuíram em conformidade: os CHF 243,7 milhões gerados no segundo trimestre de 2020 foram 82,8% abaixo dos CHF 1,41 bilhões do mesmo período do ano anterior. O período também produziu prejuízo operacional de CHF 182,3 milhões, em comparação a um lucro operacional de CHF 196,9 milhões no mesmo período do ano anterior.


Quedas Maciças No Número De Passageiros

A SWISS transportou um total de 3.167.624 passageiros no primeiro semestre deste ano - 64,0% a menos do que no mesmo período do ano anterior. Um total de 29.667 vôos foram operados, 59,5% menos do que no primeiro semestre de 2019. Cerca de 57,1% menos capacidade foi oferecida em todo o sistema em termos de assento-quilômetro (ASK), enquanto o volume de tráfego total do primeiro semestre, medido em receita passageiro-quilômetro (RPK), diminuiu 62,7%. A taxa de ocupação de assentos em todo o sistema no período foi de 71,2%, uma queda em relação ao ano anterior de 10,8 pontos percentuais .

A queda anual mais acentuada no volume de passageiros foi de 99,2% em abril. O número de passageiros em junho ainda caiu 92,2%, em relação a 2019. A taxa de ocupação de assentos em junho de 2020 foi de 41,6%, 45,5 pontos percentuais abaixo do nível do ano anterior.


Foco Em Repatriação E Vôos De Carga

Além de manter uma rede mínima de conexões aéreas entre a Suíça, e o mundo, a SWISS e sua companhia aérea irmã Edelweiss operaram 35 vôos de repatriação até o início de julho de 2020, voando cerca de 7.400 viajantes - principalmente cidadãos suíços - para a Suíça de todo o mundo como parte do maior programa de repatriação já conduzido pelo Departamento Federal de Relações Exteriores da Suíça. A divisão Swiss WorldCargo da empresa também realizou pouco menos de 600 vôos de carga dedicados até o final de junho, transportando mais de 15.000 toneladas de mercadorias (principalmente medicamentos e outros itens médicos) para abastecer o povo suíço, e apoiar a economia suíça.

(© Google Imagens)

Outras Retomadas Do Serviço Planejadas

As operações mínimas de vôo da SWISS aumentaram constantemente em junho para 15 a 20% da capacidade originalmente planejada. Neste outono, cerca de um terço das capacidades da companhia aérea deverão estar novamente disponíveis para cerca de 85% dos destinos que usufruíam do serviço da SWISS antes do início da crise. Dois terços da frota da SWISS de 91 aeronaves voltou a operar desde julho - 41 aeronaves de curta distância e 17 de longa distância, esta última incluindo três Boeing 777 que foram temporariamente convertidos para transportar carga em seu convés principal também.

A SWISS também desenvolveu um conceito de proteção abrangente para manter as viagens aéreas de seus passageiros o mais seguras possível. As disposições aqui incluem o uso obrigatório de máscaras faciais a bordo, limpeza intensiva da aeronave e serviço de bordo modificado. E além de suas opções flexíveis de remarcação, a companhia aérea também introduziu uma oferta de voo de volta garantida para todas as suas rotas europeias.

A atual temporada de férias de verão trouxe forte demanda - especialmente para vôos europeus - e altas taxas de ocupação de assentos que estão quase nos níveis do ano anterior, embora com capacidades substancialmente mais baixas. O aumento no número de passageiros está sendo observado principalmente nos segmentos de viagens turísticas, e visitantes de amigos e parentes: a demanda continua extremamente fraca no segmento de viagens de negócios. Os volumes de tráfego intercontinental também estão se recuperando muito lentamente, dadas as muitas restrições de imigração que ainda existem aqui.

“Essas tendências positivas na demanda por viagens aéreas na Europa nos deixam cautelosamente otimistas”, disse o CEO da SWISS, Thomas Klühr. “Sabemos, porém, que ainda temos um longo caminho a percorrer antes que esta crise seja superada. E um fator crucial para nossa recuperação substancial, e sustentável, serão os novos desenvolvimentos em nossos negócios intercontinentais, particularmente de e para a região chave da América do Norte.”

Comentários