Turismo Enfrenta Queda De Mais De € 92 Bilhões E Perda De 60,7% Da Atividade

A Aliança pela Excelência do Turismo (Exceltur) revelou em relatório que, hoje para atender aos cenários para um possível reavivamento do turismo, enfrenta uma queda de 92 bilhões de euros, e uma perda de 60,7%.% da atividade.


Esses dados são baseados em um cenário de pelo menos três meses de restrições a partir do final de março, e também usando algumas estimativas recentes de que o desbloqueio da atividade econômica na Espanha não ocorrerá antes de meados de maio-final de junho (Deutsche Bank, Boston Consulting Group, etc.) ou no segundo semestre de 2020 (FMI).

O setor turístico vive alguns momentos de "tremenda incerteza", por causa da situação no país e das medidas restritivas que podem ser levantadas nas semanas sucessivas dependendo da evolução da pandemia, segundo a fonte.

Além das extensões adicionais do estado de alarme que, por si só, já impedem o início de qualquer atividade turística, os protocolos e restrições que podem afetar a mobilidade livre através do território nacional ou europeu, as condições para a abertura de estabelecimentos ou para o gozo coletivo de lazer em espaços públicos, acrescenta.


Uma Imagem Mortal

Portanto, segundo a Exceltur, é "letal" para as expectativas turísticas da temporada de verão e fim de ano, se a muito recente a UE adivinhar (o que desencoraja viagens de reserva em julho e agosto) ou manifestações recentes de vários ministros (alertando para a não reativação antes do final do ano ou medidas sanitárias nas praias ou medidas sanitárias nas praias) ou manifestações recentes de vários ministros (alertando-os para a não reativação antes do final do ano ou medidas sanitárias nas praias) ou manifestações recentes de vários ministros (alertando-os para a não reativação antes do final do ano ou medidas sanitárias nas praias). , claramente dissuasivo para o turismo).

Sem mencionar que, até o momento, não há unidade de ação europeia a esse respeito, acrescenta.
O caso é que, segundo o relatório que analisa sete comunidades autônomas, o momento atual fala em mais de 90 milhões de perdas, e uma queda de 60,7% na atividade turística, em relação a 2019.

Mas a Exceltur também apresenta um cenário ainda pior, de acordo com as últimas declarações dos ministros dos Assuntos do Consumidor, Trabalho e Finanças, que consideraram que o levantamento das restrições à recuperação do turismo não chegaria até o final do ano, palavras que, no entanto, não foram ratificadas nem pelo Ministro do Turismo nem pelo próprio Presidente do Governo. Mas, se assim for, o turismo enfrentaria uma perda de 124 bilhões de euros, e uma queda no produto interno do turismo bruto de 81,4%, segundo a fonte.

Um volume de perdas que "nenhum setor econômico poderia suportar sem ser arrasado pela estrada primeiro", se um plano de resgate de emergência não for aplicado muito mais alto do que hoje para economizar com garantias mais baixas, muito de um tecido empresarial mais deteriorado, e seu uso", segundo a Exceltur.

Fonte: EFE Tur