Destaque Da Semana

Aena Airports Recupera Tráfego De Passageiros Em 60% Em Agosto

Pedidos De Táxi Aéreo Internacional Registram Alta De 70%

A empresa de fretamentos relata um rápido aumento nas solicitações de vôos de e para o Brasil no primeiro trimestre de 2020. A demanda para vôos domésticos de táxi aéreo até o momento está estável

Medo do coronavírus, fronteiras fechadas e o cancelamento de vôos regulares. Com o surto viral impactando negativamente a aviação comercial, a procura por vôos em jatos particulares torna-se crescente entre corporações, agências de viagens e clientes de alto poder aquisitivo. Um desses prestadores de serviços é a empresa de fretamentos sob-demanda, Flapper, que vem tendo um expressivo crescimento neste ano. Operando no segundo maior mercado mundial de aviação executiva - Brasil - a Flapper compartilhou suas opiniões sobre as perspectivas atuais do setor, destacando um aumento da demanda de fretamentos, gerada pela pandemia do Covid-19.


Ao analisar o segmento de clientes internacionais que solicitaram vôos para/do Brasil, o número de pedidos nos primeiros três meses de 2020 obteve alta de 69%, comparado com mesmo período de 2019, segundo a empresa. O valor dos vôos cotados atingiu um total de R$ 62.6 milhões. Jatos executivos de longo alcance e aviões de linhas aéreas dominaram a demanda, respondendo por mais de 50% de todos os pedidos. Os vôos aeromédicos, e de turistas e empresários brasileiros que retornam da Europa, EUA e Peru são, particularmente, populares e correspondem a mais da metade de todos os pedidos internacionais. Cuzco-São Paulo e Lima-São Paulo foram as rotas internacionais mais cotadas, enquanto São Paulo-Rio de Janeiro continuou sendo a rota doméstica mais popular.

Num mercado em que 99% de todos os vôos da aviação geral são domésticos (Instituto Brasileiro de Aviação, 2019 ), tais resultados representam um aumento de demanda sem precedentes, de acordo com Paul Malicki, CEO da Flapper. Em relação a vôos domésticos, que haviam registrado crescimento mensal constante de 10% nos últimos 4 meses, Malicki também destaca que os grandes mercados internos oferecem estabilidade, especialmente em um cenário mundial enfrentado por ameaças da pandemia.

O rápido aumento de demanda por vôos internacionais é de curto prazo e já está se achatando para os meses de abril e maio, relata executivo. "Vimos, no entanto, uma demanda mais constante por vôos domésticos e tudo indica que a aviação geral constituirá uma das únicas opções para o transporte de passageiros interestadual nos próximos meses. Nesse sentido, o setor de aviação executiva brasileiro se comporta de maneira semelhante ao seu aos EUA, onde os vôos comerciais devem cair de 70% a 90%, enquanto a aviação executiva poderá aumentar sua importância no segmento de transporte de profissionais de saude, e pacientes doentes. Essa situação não seria tão comum na Europa e na Ásia, já que possuem países com um mercado doméstico mais tímido, quando comparado ao setor de vôos internacionais.

Com o provável fechamento da ponte aérea São Paulo-Rio de Janeiro, a aviação privada poderá se beneficiar do surto Coronavírus. Na semana passada, as maiores companhias aéreas da região, Gol e Latam, anunciaram fechamento da maior parte de suas operações. Os aeroportos de aviação geral de Jacarepaguá (Rio de Janeiro) e Campo de Marte (São Paulo) continuam operando como de costume.

A outra tendência que a empresa observou é de um rápido crescimento na solicitação de vôos de helicóptero. Segundo Paul Malicki, "em um mês típico, vemos de 30 a 40% de nossas receitas provenientes de fretamentos de helicópteros. Agora, em março, já estamos no nível de 50%, com expectativa de aumento. Podemos atribuir esse crescimento repentino aos receios contínuos da pandemia, especialmente entre clientes estrangeiros que desejam chegar aos aeroportos de uma maneira mais conveniente".

As estatísticas publicadas pela plataforma global de procurement de aeronaves Avinode apoiam a correlação positiva entre a aviação geral, e o tamanho dos mercados domésticos. Enquanto, no mês de março deste ano, as solicitações de fretamentos mundiais estão claramente à frente do mesmo período do ano passado (alta de aprox. 70%), a demanda para maio já está 16% atrás dos recordes de 2019. Já a procura por vôos domésticos nos EUA aumentou cerca de 120% em março e 57% em abril (em uma base anual) em relação aos resultados do ano anterior.

A queda de procura por vôos internacionais de jato particular em abril é um mero resultado das ações preventivas realizadas por vários países da América Latina. Alguns governos, como do Peru, Colômbia e Venezuela, anunciaram uma suspensão de todas as viagens internacionais, incluindo vôos de aviação geral. O Panamá, que fechou a fronteira neste domingo (22/3), estabeleceu vôos aeromédicos sem restrições, tornando-se o centro preferido para os de resgate. Ainda, o México e várias nações do Caribe relutam em suspender os vôos de países afetados pelo coronavírus, continuando a receber passageiros de jatos particulares.


Sobre Flapper

Fundada em 2016, a Flapper é a primeira empresa de aviação executiva sob demanda do Brasil com serviço de vôos compartilhados, e fretamentos aéreos.

A empresa realiza vôos frequentes na região Sudeste, além de mais de 10 destinos em períodos de alta temporada, e fretamentos para diversas cidades do Brasil. Para esses serviços a companhia agrega 350 aeronaves de táxi aéreo, e conta com mais de 150 mil usuários cadastrados em seu sistema.