Norwegian Cruise Alinhada Com Os Objetivos Da Indústria Em Sustentabilidade

A Norwegian Cruise Line Holdings (NCLH) está se alinhando à meta de redução de gases de efeito estufa do setor em 2030 com tecnologias mais eficientes a bordo de seus novos navios e aperfeiçoamentos de navios existentes, reduzindo o consumo de combustível e energia por meio de exemplos como iluminação LED e revestimentos de casco, de acordo com James Mitchell, vice-presidente do HSEM marítimo, segurança, meio ambiente e medicina.


Em seu último relatório de administração (2018), a NCLH alcançou um aumento de 4% na eficiência de propulsão dos revestimentos de casco e uma redução de 11,3% no consumo de combustível da caldeira desde 2016.

"Também estamos analisando tecnologias futuras e combustíveis alternativos", disse Mitchell. “O GNL pode ser um passo na direção certa. Certamente não o tiramos da mesa, mas estamos nos atrasando temporariamente, enquanto esperamos para ver qual será a logística para os navios de passageiros. Por enquanto, não é algo que possamos facilmente abrigar em todo o mundo, como HFO e MGO. ”

“Observando nossa pegada de carbono”, continuou Mitchell, “estamos adotando uma abordagem multifacetada de nossas próprias operações no mar para nossa sede aqui em Miami e, eventualmente, planejamos ir tão longe quanto olhar as viagens de nossos cruzeiristas, tripulantes e funcionários do litoral, bem como logística de compras, que já estão em andamento. ”

Até o momento, o NCLH possuía 11 navios equipados com lavadores e seis navios com potência em terra.

“O consumo de combustível é a pedra angular do nosso planejamento de itinerário, assim como a cultura de nossos cruzeiristas e tripulantes, criando conscientização e conhecimento de nossas iniciativas ambientais, como fechar a porta da varanda ou desligar a TV ou as luzes quando elas não estão na cabine, exatamente como eles fariam em casa ”, acrescentou.

Outra grande conquista na NLCH é a produção de água. Mitchell explicou que, por meio de uma combinação de iniciativas e tecnologias a bordo, seus navios melhoraram a eficiência da produção de água por osmose reversa e evaporadores, além de diminuir o consumo e o impacto ambiental.

De acordo com o relatório de administração, a NCLH reduziu o consumo de água a bordo em 4% de 2015 a 2018 para convidados e tripulação, bem como nas cozinhas, lavanderias, piscinas, banheiras de hidromassagem, spas, e para limpeza. O consumo diário médio a bordo por pessoa é de 69 galões, em comparação com uma média nacional de 80 a 100 galões.

No futuro, Mitchell disse: “Nunca será uma solução. Nunca se trata de uma única abordagem. Mesmo o GNL não será a única bala de prata. Esperamos que surjam novas tecnologias na próxima década, levando a embarcações mais eficientes no mar. ”

Imagem: Google Imagens