Pilotos Da Ryanair Entrarão Em Greve Se A Empresa Não Aceitar Suas Propostas

O anúncio é feito no âmbito de ajustes e possíveis demissões avançadas pela empresa irlandesa após o verão

Os pilotos irlandeses da Ryanair apoiaram, com 94% dos votos a favor, uma greve no caso de a companhia aérea irlandesa não aceitar as suas propostas antes de hoje (12), uma mobilização que será registrada na próxima semana, seguindo a regulação, com o que as greves irão ocorrer este mês. O anúncio vem no meio de contatos entre a empresa e representantes sindicais, e no âmbito dos ajustes e possíveis demissões avançadas pela empresa irlandesa após o verão.


A Associação de Pilotos da Irlanda (IALPA) e o sindicato Fórsa, vêm exigindo, desde março, uma reforma salarial que criaria uma estrutura salarial em linha com o setor, já que a situação financeira da empresa é “saudável” e permite recompensar seus pilotos.

O vice-secretário geral da Fórsa, Ian McDonnell, indicou que a greve poderia ser evitada se a administração da companhia participasse "profissional e construtivamente" das negociações e acusasse a empresa de adiar as táticas nas negociações.

Os quase 180 pilotos da Ryanair que trabalham diretamente na Irlanda, e que são membros da IALPA, puderam participar na votação, embora os funcionários terceirizados não tenham participado na votação. Fórsa disse que ele não fará mais comentários antes da próxima semana, para dar espaço à administração para responder à sua queixa.

Na Espanha, a seção sindical do sindicato dos pilotos de linhas aéreas espanholas (SEPLA), da Ryanair, votará entre suas afiliadas para ver se querem se mobilizar em resposta à ameaça de demitir 100 pilotos, em que a companhia fez na quarta-feira (07), passada, embora ainda sem data.

Além disso, a Associação Britânica de Pilotos de Aviação (BALPA), um sindicato que defende os interesses dos pilotos britânicos, da Ryanair, convocou dias de greve para os dias 22 e 23 de setembro e entre 2 e 4 de setembro.


Impacto Do Atraso Do 737 MAX

A Ryanair já efetuou possíveis ajustes em suas bases em fevereiro devido à evolução dos negócios decorrentes da incerteza do Brexit, após aumentos mais moderados do que nas safras anteriores, e abaixo do crescimento de 8% esperado em toda a Europa, ao qual o impacto foi adicionado devido ao atraso nas entregas da ordem de 30.373 aviões MAX, que tinha para o verão, e cujas entregas estão suspensas.

Depois de apresentar suas contas, o CEO da Ryanair, Michael O'Leary, antecipou em um vídeo que ele será forçado a realizar demissões, que serão aplicadas no final de setembro, e novamente após o Natal, após a queda dos benefícios, em quem disse que a empresa tem 500 pilotos e 400 comissários de bordo de sobra.

A Ryanair fechou o primeiro trimestre do ano fiscal, encerrado em 30 de junho, com um lucro de € 243 milhões, 21% menos que no ano anterior.

Fonte: Agenttravel - Aerolíneas

Comentários