Destaque Da Semana

México: Propostas De Mobilidade Para O Aeroporto De Santa Lucia

As estradas para Santa Lúcia são difíceis. Com uma distância do centro da cidade três vezes maior que a do atual Aeroporto Internacional da Cidade do México (AICM), o desafio do novo aeroporto será facilitar a chegada e a partida de mais de 50 milhões de passageiros até 2022, no momento estima seu início de operações e 130 milhões até 2062, em sua capacidade máxima.


O ponto de partida ao desenvolver um plano de mobilidade para um aeroporto é o usuário. Fernando Páez, diretor de operações do World Resources Institute (WRI) do México, explica que três tipos de usuários são identificados: passageiros aéreos, acompanhantes (que, no contexto latino-americano, são habituais) e funcionários do aeroporto.

Hábitos de mobilidade mudam significativamente entre vários tipos de usuários. Dados das autoridades indicam que aproximadamente 70% dos passageiros chegam e deixam o aeroporto em carro particular, táxi ou motocicleta), enquanto 80% dos funcionários se deslocam em transporte público.

Para encontrar uma solução adaptada a cada futuro usuário do aeroporto, o governo federal propôs uma estratégia de conectividade e mobilidade de 10.007 milhões de pesos (MDP), 14% do orçamento do projeto.


As Propostas

O plano diretor para o desenvolvimento do Aeroporto Internacional Felipe Ángeles inclui alternativas de mobilidade que podem ser divididas em duas áreas: estradas e meios de transporte, onde está previsto o uso de um sistema de Ônibus de Trânsito Rápido (BRT), Ônibus suburbanos, e bem como transportes locais e estrangeiros.

Há seis projetos rodoviários que o projeto pretende construir ou modernizar, por um valor de pelo menos 23,955 bilhões de pesos - o que sozinho excede 14% do orçamento. Destes, a aposta mais importante é uma rodovia de interconexão confinada a duas faixas iluminadas e marcadas, com 38,33 quilômetros de extensão, um curso elevado a 43,5% do seu comprimento total e 56,4% ao nível do solo.

O plano é ter a capacidade de transportar um passageiro do AICM para o aeroporto de Santa Lucia em 45 minutos, a uma velocidade de 80 km / h, com ônibus partindo a cada cinco minutos. Com este esquema estima-se transportar uma média de 360 ​​passageiros por hora, com a capacidade de aumentar o fluxo de veículos de acordo com a demanda.

É aí que se identifica um dos principais problemas da proposta, pois o fluxo de 360 ​​passageiros por hora é uma oportunidade desperdiçada para se conectar ao resto da região, considera Gonzalo Peón Carballo, diretor do programa mexicano do Instituto de Medicina.


Comentários