Destaque Da Semana

IAG Relata Prejuízo Operacional De € 1,3 Bilhão No 4º Trimestre

90% Dos Agentes Consideram Que As Comissões Baixaram Nos Últimos Anos

O UNAV é "muito crítico" com a Renfe e as companhias aéreas, enquanto da Avasa elas celebram manter a lucratividade para seus clientes

Os agentes não duvidam: as comissões que recebem dos fornecedores caíram nos últimos anos. 40% dos entrevistados pela AGENTTRAVEL consideram que apenas um pouco, mas até 50% responderam com um retumbante 'sim' - na qual Carlos Garrido, Presidente da União das Agências de Viagens (UNAV) coincide com o diagnóstico de seus associados: "30 anos atrás eram pura comissão, mas estas comissões têm vindo a diminuir ao longo do tempo até o final onde estamos hoje."


Presidente UNAV lamenta que "as comissões caíram para menos de 1% em muitos fornecedores como o mercado aéreo e ferroviário," uma tendência que, em sua opinião, começou em 1998, quando a Iberia tomou a decisão de "parar de remunerar canal " - onde nesse sentido, mais de 90% dos agentes consultados apontam na mesma direção: as companhias aéreas são o provedor que oferece as comissões mais baixas, bem longe dos hotéis e seguros, que ocupam o segundo lugar com apenas 4% dos votos.

Do UNAV, eles são "muito críticos com a Renfe e as companhias aéreas" porque na opinião deles as agências "representam uma cota de mais de 70% do faturamento das grandes companhias aéreas" e, portanto, seu trabalho "deve ser pago " "É o único setor onde o canal de distribuição não é remunerado", protesta Garrido.

Do outro lado da escala, atacadistas e navios de cruzeiro, considerados por 38% dos agentes como os provedores mais generosos quando se trata de distribuir comissões. "Os operadores turísticos, a venda de pacotes turísticos e hotéis são geralmente bem pagos; são os mesmos índices que há muitos anos atrás ", reconhece Garrido.

Esta diferença entre as comissões de uma companhia aérea e as de um operador turístico, por exemplo, motiva que mais de 60% dos agentes, quando perguntados se estão satisfeitos com as comissões, respondem que depende do provedor. Por outro lado, 33% admitem que não parece suficiente e apenas 5% concordam com as porcentagens atuais.


A Negociação Das Comissões

Mas quem está encarregado de negociar as porcentagens "Antes negociavam com cada fornecedor. Hoje, os nossos grupos de gestão fazem isso ", explica Carlos Garrido.

Para o presidente da UNAV, que são os grupos de gestão que negociam as comissões "reduz muito a diferença entre grandes e pequenas" porque, por exemplo, "quando o El Corte Inglês faz a contratação concorrer com a Travel Advisors, que tem volumes maiores ".

Um desses grupos de gestão é a Avasa . Seu diretor, Carlos López Bahillo, explica que a empresa "realiza uma rodada de negociações com os fornecedores selecionados no final do ano" e chega a "acordos mínimos de comissão para todas as suas agências".

Avasa também realiza "campanhas de obter substituições" e pacta "escalações de rapel dada inteiramente às agências para atingir os objetivos", disse Lopez Bahillo, o que significa que enquanto as agências "podem ter acordos suplementares" para confiança geral todas as negociações das comissões em um grupo de gestão.

Ao contrário de Garrido e das agências consultadas, o diretor geral da Avasa não considera que a tendência dos fornecedores é oferecer comissões para baixo, porque o grupo gestor "mantém o nível de rentabilidade para as agências" e até em alguns casos "Aumentando isso."

Bahillo reconhece que "em casos muito específicos, algum fornecedor reduz o montante da parte comissionável". No mesmo sentido, Carlos Garrido observa que o UNAV tem "uma batalha" com a locação de autos porque "eles pagam comissões sobre a taxa e não sobre as taxas".

Garrido afirma que, no caso de empresas de aluguel de automóveis "taxas: aeroporto sobretaxa, o IVA ou o seguro, são, por vezes, muito maior do que o aluguel" e observa que "é enganosa porque o comissão sobre o custo é bastante marginal ".


Comissões E Despesas De Gestão, Relacionadas ?

A tendência de queda nas comissões de fornecedores, ou até mesmo na sua supressão, que tanto o presidente da UNAV quanto os agentes consultados estão expondo, poderia ter um impacto sobre as despesas de gestão que os varejistas cobram de seus clientes - onde pelo menos, parece do ´II Estudo Estratégico Das Agências De Viagens Na Espanha 2018´, feita entre Amadeus e Corporate Associação das Agências de Viagens Especializadas (ACAV), que tem uma seção que analisa as percentagens das comissões de cada fornecedor e as relacionadas com as despesas de gestão das agências.

Dessa forma, as passagens aéreas têm uma comissão de 0,6% e as agências repassam aos seus clientes 5,1% das despesas de gestão; em bilhetes de trem é de 0,7% e 3,7%, respectivamente; e em seguros de viagem 1% e 8,8%.

Nos produtos com a maior comissão, ocorre o contrário: os fornecedores de pacotes de férias oferecem às agências um percentual de 8,8% e isso impacta seus clientes em 1,7%; na reserva de hotel, 8,9% e 2,5%, respectivamente; em navios de cruzeiro, 7,5% e 0,8%

No entanto, Carlos López Bahillo, não acredita que "o aumento ou a diminuição das comissões vai em proporção ou relação com as despesas de gestão" e mostra que, estes O segundo, em vez de fornecer a porcentagem oferecida por um fornecedor, "deve servir para valorizar o trabalho de um consultor de viagens".

"A taxa de administração que a agência deve cobrar por uma Madri-Barcelona não deve ser a mesma que a de um cliente que pede um circuito personalizado na Ásia. Não tem nada a ver. É sobre o valor do conselho como agente de viagens ", conclui o gerente geral da Avasa.

Fonte: Agenttravel - Agencias Y TTOO

Comentários